Barroso prorroga por 60 dias investigação sobre Bolsonaro aberta a partir da CPI

Ministro não atendeu a pedido da PGR e prefere esperar relatório da Polícia Federal
-Publicidade-
Barroso prorrogou por 60 dias um inquérito sobre Bolsonaro
Barroso prorrogou por 60 dias um inquérito sobre Bolsonaro | Foto: Carlos Moura/SCO/STF

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou por mais 60 dias a investigação das denúncias feitas pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 contra o presidente Jair Bolsonaro (PL). A decisão, proferida nesta terça-feira, 6, também atinge os filhos do chefe do Executivo.

“Tendo em vista que a sistematização da documentação apresentada pela Comissão Parlamentar de Inquérito ainda não foi concluída, defiro o pedido de prorrogação do prazo para a continuidade das investigações por mais 60 dias”, escreveu o ministro.

Das dez apurações preliminares abertas depois que a CPI concluiu os trabalhos no ano passado, a PGR já pediu o arquivamento em nove casos. Entre as condutas “irregulares” indicadas pela CPI, estão: 1) estimular a população a se aglomerar; 2) a não usar máscara; 3) a não se vacinar, além de; 4) incentivar a invasão de hospitais para a gravação de eventuais leitos vazios.

-Publicidade-

“Não se vislumbra qualquer diligência que possa ser realizada para complementar os elementos já coligidos, os quais, ao contrário, se revelam suficientes, neste momento, para um juízo, de um lado, de absoluta carência de justa causa para a deflagração de persecução penal, e, de outro, até mesmo de atipicidade das condutas”, defendeu a PGR.

Além do presidente, são investigados o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o ex-ministro Onyx Lorenzoni (PL-RS), os deputados Eduardo Bolsonaro (PL-SP), Ricardo Barros (PP-PR), Osmar Terra (MDB-RS) e Carla Zambelli (PL-SP) e a senadora Bia Kicis (PL-SP).

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

18 comentários Ver comentários

  1. A vingança é permanente. Dentre as apurações, me espanta mais a acusação por “charlatanismo” ser julgada por quem mantém a “fé” no charlatão João de Deus, sendo seu acólito. Não há meios constitucionais de parar esses ministros do STF no seu partidarismo. O Congresso, mormente o Senado Federal, que tem os meios de freá-los, não o fará. O exemplo da aprovação da PEC fura teto com a maioria de 64 “dignos” representantes é explícita. Pobre país.

  2. Já conhecemos como funcionam as mentes doentias dos esquerdistas, e quanto a isso não há nada que se possa fazer.
    Infelizmente aprendemos errando!
    Não há remissão simples, portanto devemos mantê-los afastados da vida pública o mais que pudermos, concomitantemente ao fornecimento de instrução minimamente qualificada, para que as mentes ao se formarem possam discernir algo de diferente do que a miséria que a doutrinação marxista idiotizante gera ao indivíduo – complexos de inferioridade e reivindicações de direitos inexistente -, culminando com um cidadão adulto absolutamente desajustado!

  3. Está esperando seu chefe ex-penitenciário assumir para que a vingança deste seja completa, com a prisão de Bolsonaro e filhos. Aquele escorpião vermelho está sedento por vingança. E nós, os cidadãos de bem, com esperança de que a justiça seja feita e os corruptos e tiranos é que sejam punidos urgentemente.

  4. Nós estamos pagando o preço pela frouxidão do Bolsonaro! O povo de bem deste país, quer ver este boca de veludo e o xandão do PCC atrás das grades!! Até quando BOLSONARO?????

    1. Moisés, cumpra a sua missāo à frente do Tiro de Guerra ou Comando das FFAA a seu alcance.
      A guerra é maior que uma rampa ou um desertor.
      Em breve o Messias restituirá a paz.

  5. Dispõe sobre os crimes de abuso de autoridade;

    Art. 27. Requisitar instauração ou instaurar procedimento investigatório de infração penal ou administrativa, em desfavor de alguém, à falta de qualquer indício da prática de crime, de ilícito funcional ou de infração administrativa:

    Pena – detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.