Base tem ordem clara de Bolsonaro para votar contra PL das Fake News

Projeto, que está na Câmara dos Deputados, já foi discutido no Senado
-Publicidade-
Presidente da República, Jair Bolsonaro (PL)
Presidente da República, Jair Bolsonaro (PL) | Anderson Lira/FramePhoto/Estadão Conteúdo

Enquanto a oposição orquestra a tentativa de implantação de uma comissão especial para o Projeto de Lei de Combate às Fake News (PL das Fake News) na Câmara dos Deputados, a base do presidente Jair Bolsonaro (PL) se organiza em torno de uma determinação do Palácio do Planalto: a rejeição total ao projeto.

O líder do governo, deputado Ricardo Barros (PP), afirmou a Oeste que há uma deliberação clara de Bolsonaro para que o projeto não pode ser aprovado na Câmara. A matéria já foi apreciada no Senado, onde nasceu.

-Publicidade-

“Temos que votar alguma coisa de Fake News aqui na Câmara para não deixar o Tribunal Superior Eleitoral [TSE] decidir por si o que é ou não é fake news, mas o governo é contra o projeto. A ordem que eu tenho aqui é votar contra.”

No PT, a ideia de criação de uma comissão especial está em fase inicial, para dar visibilidade e transparência ao assunto. Segundo um deputado petista, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), não chegou a ser consultado sobre a possibilidade de criação da comissão especial, prerrogativa dele pelo fato de presidir a Casa.

Urgência chegou a ser discutida
A urgência da proposição chegou a ser votada no início deste mês em plenário, ocasião em que foi rejeitada. À época, Bolsonaro parabenizou congressistas que votaram contra. “Olhem quem era o relator, um deputado do PCdoB. Não pode vir coisa boa de quem defende o comunismo”, declarou, em evento do Banco do Brasil. Com a urgência derrotada, o projeto voltou ao relator, Orlando Silva (PCdoB), para que o deputado construísse um texto de consenso entre base e oposição, para trabalhar em negociações.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. Projeto dessa natureza não deve existir, ninguém tem a condição de dizer o que é verdadeiro ou falso no que tange a informação, se não o criador dela, o julgamento deve ser por conta de quem a ouve ou ler, a questão cognitiva de cada um sobre o tema ouvido ou lido. O projeto é autoritário, ditatorial.

  2. Fácil, criem um projeto de fake news com o seguinte texto: Qualquer um que for contra a liberdade total de expressão estará divulgando fake news e será processado.

    Pronto. Projeto finalizado!!!
    E se algum deputado ou senador votar contra, divulguem seu nome para ninguém votar nele.
    Ponto final!!!

  3. E aí, oposição fascista? Congresso, STF,
    Consórcio das Notícias Corrompidas (antiga imprensa), como explicam o apoio à grave censura que vocês estão impondo à liberdade de expressão? Aguardamos a palavra, dos senhores “defensores” da democracia. Não passam de salafrários que praticam, diariamente, muita fake news, ao se dizerem guardiões da democracia.
    BOLSONARO É O UNICO, entre os poderes, que pratica e luta para restabelecer a SAGRADA DEMOCRACIA, QUE A MÁFIA UNIDA NOS ROUBOU.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.