Bolsonaro defende a reforma tributária de Guedes: ‘não é CPMF’

Presidente da República sai em defesa da proposta de Guedes e avisa: tributação digital não é "nova CPFM". Bolsonaro explica que o imposto retira encargos das empresas
-Publicidade-
O presidente Jair Bolsonaro | Foto: VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL
O presidente Jair Bolsonaro | Foto: VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL | jair bolsonaro - pl das fake news - veto - valter campanato - agência brasil

Presidente da República sai em defesa da proposta de Guedes e avisa: tributação digital não é CPMF. Bolsonaro explica que o imposto retira encargos das empresas

jair bolsonaro - pl das fake news - veto - valter campanato - agência brasil
O presidente Jair Bolsonaro  | Foto: VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL

O presidente Jair Bolsonaro saiu em defesa da reforma tributária sugerida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Em conversa com apoiadores, no Palácio da Alvorada, no sábado, 18, negou que a intenção da equipe econômica e do próprio governo seja recriar a extinta Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

-Publicidade-

Questionado por jornalistas, Bolsonaro logo se prontificou a desvincular a medida sugerida pelo governo da CPMF. “O que o Paulo Guedes está propondo não é CPMF, não. É uma tributação digital. Não é apenas para financiar um programa que envolveria quase todos que estão aí. É para desonerar, também, a folha de pagamento. É uma compensação. É eliminar um montão de encargos em troca de outro, mas, se a sociedade não quiser, não tem problema nenhum”, destacou.

O presidente evitou, contudo, se posicionar a favor ou contra da criação do tributo. Mas voltou a defender a proposta de Guedes. “Não pergunte se eu sou favorável ou não, porque já seria maldade essa pergunta. É maldade. A proposta do Paulo Guedes visa desonerar a folha de pagamento, porque não é fácil a vida dos patrões, também. O pessoal fala que a vida de empregado é difícil, mas a do patrão também é difícil”, ponderou.

A CPMF, criada no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi uma cobrança que incidiu sobre todas as movimentações bancárias — exceto nas negociações de ações na Bolsa, saques de aposentadorias, seguro-desemprego, salários e transferências entre contas correntes de mesma titularidade — e vigorou no país por 11 anos. Ela, contudo, tinha um viés arrecadatório, para financiar a saúde. Guedes sugere o novo tributo para financiar o Renda Brasil e tirar impostos das empresas.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.