-Publicidade-

Bolsonaro revela que empresas da França compram madeira ilegal do Brasil

Afirmação foi feita pelo presidente na noite de quinta-feira, 19
Foto: Canva
Foto: Canva | madeira ilegal - Brasil - França e Alemanha

Alemanha e França estão na lista, afirma o presidente da República

madeira ilegal - Brasil - França e Alemanha
Foto: Canva

O presidente da República, Jair Bolsonaro, levou adiante a promessa de revelar quem compra madeira ilegal do país. Na noite desta quinta-feira, 19, ele apresentou citou um integrante da lista. Com governante crítico às atuais políticas ambientais do Brasil, a França foi a mencionada.

Leia mais: “Cobiça da China pela Amazônia preocupa governo”

A revelação de Bolsonaro foi feita durante a sua tradicional live semanal. Minutos antes, em frente ao Palácio do Alvorada, o presidente reforçou a intenção de acabar com a “farsa” de que seu governo desmata a região Amazônia — como acusa o presidente francês, Emmanuel Macron. Para chegar aos nomes, ele destacou o “maravilhoso” trabalho feito por agentes da Polícia Federal (PF). Para isso, a corporação analisou isótopos estáveis, elementos presentes em madeiras que ajudam a identificar suas origens.

“As licenças ambientais fraudulentas foram concedidas anos atrás”, declarou Bolsonaro.

Na live, Bolsonaro esteve acompanhado do delegado Alexandre Saraiva, superintendente da PF no Amazonas, e do ministro da Justiça, André Mendonça. Bolsonaro, contudo, destacou não ter a intenção de acusar nenhuma nação de cometer crime em decorrência do contrabando de madeira no Brasil. Pelo contrário, pediu para que nações ajudem a combater esse tipo de contrabando.

Assista à live do presidente Jair Bolsonaro:

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês