Buzinaço contra Doria faz disparar campanha pelo impeachment do tucano

Organizados numa carreata, manifestantes pediram a saída do governador paulista
-Publicidade-
O governador de São Paulo, João Doria | Foto: GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO/FLICKR
O governador de São Paulo, João Doria | Foto: GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO/FLICKR

Organizados numa carreata, manifestantes pediram a saída do governador paulista

O governador de São Paulo, João Doria | Foto: GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO/FLICKR
-Publicidade-

No sábado 11, manifestantes se reuniram na capital paulista para protestar contra as medidas de isolamento adotadas pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), no combate ao coronavírus. Não só, criticaram também a decisão do tucano de se opor ao governo federal — em 2018, o então candidato ao Palácio dos Bandeirantes se autointitulou “BolsoDoria”.

Organizados numa carreata decorada com bandeiras do Brasil, opositores do governo paulista promoveram um buzinaço na região central da cidade, com a palavra de ordem “Fora, Doria”. Monitoramento feito por Oeste observou que a hashtag “UnidosComBolsonaro” ganhou força na madrugada de sábado e chegou aos trending topics do Twitter pela manhã.

Alcançou rapidamente a segunda posição. Lá, se estabilizou por cerca de duas horas e seguiu com velocidade de cruzeiro para o primeiro lugar, onde permaneceu durante a tarde, por cerca de cinco horas. Obteve 171 mil engajamentos. No domingo 12, a hashtag continuou entre os assuntos mais comentados, mas perdeu força, ao angariar apenas 22 mil interações.

Confira algumas reações

Nas redes sociais, o senador Major Olímpio (PSL-SP) foi o motor que turbinou a campanha contra Doria. O Facebook e o Twitter do parlamentar somaram 8 postagens críticas ao tucano. Na primeira, uma publicação teve mais de dez mil engajamentos, 1,3 mil comentários e 8.423 compartilhamentos. Enquanto na segunda, um tuíte conseguiu 4 mil interações e 1 mil retuítes.

Olímpio, que é ferrenho crítico do Palácio dos Bandeirantes, protocolou há duas semanas um pedido de impeachment contra Doria. Na denúncia apresentada à Assembleia Legislativa de São Paulo, o parlamentar garante que o governador cometeu crime de responsabilidade e, portanto, precisa ser afastado o quanto antes.

Já no Instagram, a campanha #UnidosComBolsonaro foi mais tímida, ao obter pouco mais de 500 publicações engajadas acerca do tema. Nas recentes análises de Oeste, o leitor vai perceber que os apoiadores do presidente Bolsonaro precisam aprimorar as habilidades nessa rede social para mobilizar as bases de apoio ao Planalto.

No Google, o interesse pelos termos “fora doria paulista”, “João Doria – Governador”, “manifestação paulista” e “fora doria” foram os mais pesquisados (sendo esse último o de maior interesse). Porém, ficaram restritos a alguns Estados: Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Quanto aos veículos de comunicação da mídia tradicional, poucos deram evidência ao tema. Nesse universo reduzido, sobressaiu-se, claro, uma ótica negativa sobre as manifestações: “apoiadores do presidente Bolsonaro quebram quarentena para protestar” e “bolsonaristas bloqueiam vias que passam ambulâncias”.

Por outro lado, novamente as páginas ligadas à direita do espectro político tiveram papel preponderante na campanha contra Doria, ao veicular os fatos referentes à manifestação, que estava ocorrendo, e de evidenciar o descontentamento da população acerca das políticas de isolamento radical adotadas pelo governador.

Notícias contrárias às decisões de Doria tiveram uma projeção futura positiva, que é quando mais pessoas se engajarão com ela. Sendo assim, incorporar aquela narrativa.

Mais medidas restritivas

João Doria lidera um movimento no PSDB para trazer o partido para a oposição | Foto: VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL

Segundo estudo do governo Estadual, nenhuma das 40 cidades paulistas monitoradas alcançou nos últimos dias a taxa de isolamento social desejada pelo Estado (atualmente em 55%). Segundo o governo, para que o sistema de saúde dê conta de atender os pacientes que serão infectados pelo coronavírus, 70% da população precisa ficar em casa.

Oeste fez um levantamento nas redes sociais que indicou maior aceitação do brasileiro no que diz respeito ao confinamento vertical, quando a população de risco à covid-19 permanece isolada e os saudáveis voltam ao trabalho. Em suma, São Paulo estaria nadando contra a correnteza que flui na direção do discurso vindo do Palácio do Planalto.

Contudo, de acordo com o governador João Doria, a desobediência poderá acarretar em mais restritivas, caso se as pessoas não se isolem de maneira voluntária.

#DitaDoria

O movimento contrário ao governo de São Paulo no sábado já era esperado, conforme noticiou Oeste na sexta-feira 10. Na ocasião, a hashtag “DitaDoria” foi utilizada mais de 24 mil vezes e, ademais, ocupou os trending topics do Twitter.

Figuraram entre as principais reclamações o rigor das medidas de fechamento do comércio estabelecidas por Doria. Da mesma forma, as ameaças de prender quem sair às ruas sem autorização e o anúncio de que o governo estadual monitoraria a localização todos os celulares desagradaram a população de São Paulo.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site