Carlos Bolsonaro quer proibir atletas trans em competições do sexo oposto

Pelo projeto, prefeitura do Rio não concederá bolsa a atletas trans que participem de competições que não sejam do seu sexo biológico
-Publicidade-
Vereador Carlos Bolsonaro | Foto: Caio César/CMRJ
Vereador Carlos Bolsonaro | Foto: Caio César/CMRJ

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) apresentou projeto de lei na Câmara do Rio de Janeiro propondo a proibição de atletas trans em competições na cidade, caso o esportista opte por disputar a categoria oposta ao sexo de nascimento.

Segundo a proposta, no momento de pedir autorização para uma competição, os organizadores deverão preencher formulário informando não haver atletas transexuais em modalidades que não sejam do seu sexo biológico.

Leia mais: “Romeu Zema barra avanço de projeto considerado a favor da ideologia de gênero em Minas”

-Publicidade-

O projeto também estabelece que a prefeitura do Rio não concederá bolsa aos atletas trans que participem de competições do sexo oposto ao do nascimento, registra o portal UOL.

“Com esse argumento pseudocientífico e de clara ordem político-partidária, ativistas LGBT insistem que pais e mães devem permitir que suas crianças e adolescentes decidam, em tenra idade, questões de identidade sexual”, disse o filho do presidente Jair Bolsonaro.

Tifanny Abreu

Na justificativa, Carlos Bolsonaro ainda citou a jogadora de vôlei Tifanny Abreu, do Osasco. “Essa realidade, da invasão de atletas transexuais sobre os esportes femininos, já se impõe sobre o Brasil — como se pode ver na participação do atleta transexual Tifanny Abreu no circuito de vôlei feminino nacional”, declarou.

“Portanto, não é uma problematização, uma questão inexistente. Ao contrário, se nada for feito, veremos o surgimento de contingentes de meninas e mulheres francamente frustradas e ejetadas de um dos campos mais significativos da cultura, o esportivo”, afirma o projeto.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

  1. Entendo que se querem competir, que seja com seus iguais em um campeonato de
    Trans versus Trans, simples assim. Não querem tanto o empoderamento, então criem vergonha na cara e parem de querem se aproveitar da sua condição que só vocês mesmos criaram.

  2. Quando escuto que uma pessoa trans deve competir com pessoas com sexo biológico diferente do seu, com condições físicas diferentes , sinto que estou num grande hospício. Da mesma forma quando chamam de anti-democráticas as manifestações do povo brasileiro ordeiras e pacíficas pedindo liberdade. Igualmente quando alguém reclama do péssimo desempenho de um servidor público que extrapola suas funções e age de forma inconstitucional.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.