-Publicidade-

CNJ investiga juíza por supostamente agir em favor de Alcolumbre

Magistrada teria vínculos políticos com o presidente do Senado
O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre | Foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre | Foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL | O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre | Foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Magistrada teria vínculos políticos com o presidente do Senado

cnj
O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre | Foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

No início deste mês, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou que a corregedoria do Tribunal de Justiça do Amapá apure a conduta da juíza Elayne Cantuária, da 2ª Vara Cível de Macapá, acusada de agir parcialmente em favor do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). É o que informou neste domingo, 23, o portal Uol. Alcolumbre pode ter seu mandato cassado devido a vários processos que pesam contra ele na Justiça Eleitoral. O parlamentar supostamente cometeu abuso de poder econômico nas eleições de 2014.

Leia também: “Saiba quanto custa o presidente do Senado”

O advogado Hercílio Aquino publicou essas acusações em um jornal local e, depois de ser processado por Alcolumbre, foi condenado por Elayne a pagar R$ 50 mil. Dessa forma, Aquino abriu uma reclamação contra a juíza no CNJ. Elayne teria agido de forma parcial, uma vez que sua família supostamente detém um vínculo político e de amizade íntima com o senador Davi Alcolumbre. Segundo o advogado, a filha da magistrada fez campanha para o senador. Contudo, ao portal Uol, a magistrada negou que tenha agido com parcialidade.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

9 comentários

    1. E quem poderia ser esse presidente Iramar? Renan Canalheiros? Senador DPVAT? E outras figuras do gênero? Quem? Qual deles não tem o rabo preso no STF? Poderia ser o porralouca do goiano Kajurú? Ele não teria os votos necessários. Estamos no mato sem cachorro, Iramar!

    2. Basta ver o resultado da derrubada do veto 17, do aumento aos professores e o resultado do projeto de fake news, que nao temos um número suficiente de senadores comprometido com o Brasil. Vitoria ali, apenas no que traz publicidade com o eleitor! Espero que todos estejam acompanhando e nas próximas eleições, vamos pensar quem vai representar o Brasil. Errei ajudei a eleger um escroto que se escondeu atrás do Presidente. Voto em SP. Não preciso escrever o nome.

  1. Perdemos um pouco mais da nossa cidadania quando somos informados das anomalias cometidas pelos eleitos pelo povo para nos representar. Sai um e entra outro pior. Como ser cidadão? Como ter conduta ilibada em um país onde o normal é ser corrupto? Desde a propina ao fiscal, a burla das leis, juízes, supremos e parlamentares marginais? Como educar um filho onde o certo é levar vantagem em tudo? Cadê a nossa imprensa consciente? Venderam-se? Cadê nosso equilíbrio dos homens públicos? O silêncio dos bons não me mete medo, me apavora. O que nos espera se continuarmos a bordo desse navio sem rumo? Com a palavra as nossas pseudo-autoridades.

  2. Vamos brincar d adivinhação. Bolsonaro faz pacto com o centrão, na eleição do senado consegue emplacar um outro presidente. esse presidente coloca em votação os impechement dos ministros do STF, consegue retirar 2 da corte, é ainda, tem mais dois p indicar. Sou honesto daria o q fosse p o centrão p fazer isso. O Brasil ia melhorar.

  3. Muito provavelmente não vai dar em nada. Mas só a repercussão já dá um gostinho da aflição que Batoré deve estar sentindo. Batoré é a personificação de uma das decepções de 2019/2020.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês