Comissão da Câmara aprova ‘busca ativa’ de estudantes que estão fora da escola

Proposta, que tramita em caráter conclusivo, ainda será analisada pelas comissões de Educação e de Constituição e Justiça
-Publicidade-
Sala de aula vazia da Escola Estadual na cidade de São Paulo | Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Sala de aula vazia da Escola Estadual na cidade de São Paulo | Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprovou nesta segunda-feira, 6, um projeto que institui a Política Nacional de Busca Ativa das crianças e jovens em idade própria para a educação básica obrigatória.

O objetivo é assegurar o acesso universal das crianças e jovens de 4 a 17 anos à educação básica obrigatória, compreendendo a educação pré-escolar, o ensino fundamental e o ensino médio.

-Publicidade-

A proposta, da deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), que tramita em caráter conclusivo, ainda será analisada pelas comissões de Educação e de Constituição e Justiça e não precisará passar pelo plenário.

“A proposta vem em momento oportuno, já que a evasão escolar está numa situação alarmante. Milhares de crianças em idade escolar já estavam ausentes das salas de aulas antes da pandemia de covid-19, e a tendência é que isso piore significativamente, devido às mudanças sociais decorrentes da crise econômica”, avalio o relator relator, deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG).

Ao apresentar o projeto, Professora Dorinha Seabra Rezende destacou que, em 2019, mais de 620 mil alunos abandonaram a escola, sendo 290 mil no ensino fundamental e 334 mil no ensino médio.

Estratégias

O projeto lista, entre as estratégias de busca por crianças e jovens em idade escolar, o recenseamento anual desse público; a formação, em estados e municípios, de comitês intersetoriais para a busca ativa, integrados por representantes das áreas de educação, assistência social e saúde; e a identificação de crianças e adolescentes que estão fora da escola ou em risco de evasão.

Pelo texto, a União prestará assistência técnica e financeira aos Estados e municípios para a implementação da política, e estes atuarão colaborativamente para colocar em prática as estratégias.

Caráter conclusivo

É o rito de tramitação pelo qual o projeto é votado apenas pelas comissões designadas para analisá-lo, dispensada a deliberação do plenário.

O projeto perde o caráter conclusivo se houver decisão divergente entre as comissões ou se, independentemente de ser aprovado ou rejeitado, houver recurso assinado por 52 deputados para a apreciação da matéria no Plenário.

Com informações da Agência Câmara

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Preparar os jovens para um futuro decente e honesto é obrigatório para a preservação do ser humano! Constatamos hoje em dia que os “”Supremacistas da Minoria”” querem diminuir a população do mundo por todos os meios, vale tudo, da fome as “vassassinas”… Porque será?

  2. Agradeça ao PT por tirar o Bolsa Escola. Uma das finalidades além de eleitoreira, era diminuir a evasão escolar. Era a condição para frequentar a escola. O PT praticamente tirou esta obrigatoriedade.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.