Conselho de Ética da Alesp aceita denúncia contra deputado por assédio sexual

Vídeo mostra o momento em que Fernando Cury (Cidadania) abordou Isa Penna (Psol)
-Publicidade-
O deputado estadual Fernando Cury, do Cidadania de SP
O deputado estadual Fernando Cury, do Cidadania de SP | Foto: Arquivo pessoal/Facebook

O deputado estadual Fernando Cury (Cidadania) passa a ser formalmente um denunciado por assédio sexual perante os olhos da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). Na manhã desta quarta-feira, 10, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do órgão acatou a denúncia feita pela deputada estadual Isa Penna (Psol) e, assim, abriu processo de cassação de mandato. Conforme registrou Oeste em dezembro de 2020, Cury foi flagrado abraçando a colega e tentando permanecer rente às costas dela. O ato foi gravado por câmera da Casa legislativa.

Leia mais: “Cidade Linda: STJ mantém multa a João Doria”

-Publicidade-

No Conselho de Ética, a derrota de Cury se deu por unanimidade. Os dez deputados votaram pela aceitação da denúncia. Com isso, testemunhas serão convocadas. De acordo com as regras da Alesp e do Poder Jurídico brasileiro, será necessário contar com testemunhas dos dois lados: favoráveis e contrárias ao político. Depois de colhidos os depoimentos, caberá ao Conselho de Ética da Alesp elaborar relatório sobre o tema e indicar se o membro do Cidadania deve ou não ser cassado. Até lá, Cury seguirá normalmente com suas atividades parlamentares, podendo participar de comissões e votações.

A situação de Fernando Cury só terá desfecho com a votação do tema pelo plenário da Alesp. Se a maioria qualificada da Casa entender que ele assediou sexualmente Isa Penna e, assim, quebrou o decoro parlamentar, Cury perderá o mandato. Caso contrário, o processo será arquivado e ele seguirá como deputado estadual de São Paulo.

Defesa

Responsável pela defesa de Fernando Cury diante do Conselho de Ética da Alesp, o advogado Roberto Delmanto tentou impedir que Erica Malunguinho (Psol) pudesse votar, pois ela já teria anunciado que votaria contra seu cliente. “É a mesma coisa que um juiz afirmar que o réu é culpado antes de seu julgamento”, argumentou. Entretanto, o pedido não foi aceito e a deputada socialista ajudou a construir o entendimento unânime contra a postura adotada por Cury no episódio.

Na mira do partido

O processo na Alesp não é o único problema para Cury. Desde o caso, ele entrou na mira de seu partido. Em comunicado divulgado ainda em dezembro, a executiva nacional do Cidadania anunciou o afastamento do político. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por sua vez, defendeu a sumária cassação do mandato do deputado estadual.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site