Consulta pública sobre vacina para crianças teve 24 mil contribuições, diz ministério

Amanhã, o ministério fará uma audiência pública sobre o assunto
-Publicidade-
Fachada do Ministério da Saúde | Foto: Afonso Marangoni/Revista Oeste
Fachada do Ministério da Saúde | Foto: Afonso Marangoni/Revista Oeste

O Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira, 3, que a consulta pública sobre a vacinação de crianças contra a covid-19 teve 23.911 contribuições.

A consulta foi aberta em 23 de dezembro e foi encerrada no domingo 2. Amanhã, o ministério fará uma audiência pública sobre o assunto.

-Publicidade-

Segundo o ministério, “foram convidados médicos especialistas e representantes de entidades ligadas ao tema”. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, tem defendido a vacinação desse grupo com prescrição médica e autorização dos pais.

Mas ao menos 19 Estados e o Distrito Federal já disseram que não vão exigir pedido médico para a vacinação de crianças.

O Ministério da Saúde já informou que só em 5 de janeiro, após ouvir a sociedade, formalizará sua decisão, e, mantida a recomendação, a imunização dessa faixa etária deverá iniciar ainda em janeiro.

Hoje, Queiroga disse que as vacinas da Pfizer contra a covid-19 para crianças começarão a chegar ao Brasil na segunda quinzena de janeiro.

Queiroga também afirmou que o Brasil será “um dos primeiros países a distribuir vacinas para crianças”. Nações como Estados Unidos e Israel já imunizam a faixa etária de 5 a 11 anos.

A Anvisa autorizou, em 16 de dezembro, a aplicação da vacina da Pfizer para crianças. O presidente Jair Bolsonaro é um dos principais críticos à medida.

O chefe do Executivo federal já disse que não vai vacinar sua filha, que tem 11 anos. “Espero que não haja interferência do Judiciário”, disse, na semana passada, ao comentar a sua decisão.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. A decisão ja está tomada a tempos. Essa consulta foi feita p tentar mostrar independência do min da saúde e foi programada de forma a n se conseguir acesso fácil. Vacina vai ser aplicada em crianças pois os iluministas globais decidiram e fim de papo. Vc que é pai veja sua responsabilidade em aplicar essa coisa que está em desenvolvimento, q n impede contaminação de ninguém mesmo com 500 doses. Porque correr esse risco ? Estão dispostos a pagar o preço de consequências a saude de seus filhos ? Porque nenhum fabricante poderá ser responsabilizado por isso pois consta essa cláusula no contrato de venda.

  2. A consulta pública foi um FRACASSO POR CULPA DO MINISTÉRIO.

    O acesso era terrível. Lutei muito para opinar.

    Além de entrar na página do ministério, vc tinha q tocar na consulta, q não abria coisa nenhuma.
    Depois tocava nas perguntas sem sucesso.
    Depois vi tinha q se logar no gob.br (esta informação não era explícita, lógico).
    Mas para se logar tinha q tocar num link pequeníssimo, voltar na página para conectar-se de novo ao questionário.

    Parabéns ao pessoal da informática do ministério. Fizeram tudo para complicar e conseguiram. Será q eles queriam complicar?

    E aí, ministro? Depois dessa sa.can.agem com o cidadão, quem será demitido?

  3. Essa INACESSIVEL consulta publica poderia ter tido muitomais opinioes da populacaose Ministerio da Saude torna-se publico e de maneira descomplicada o acesso a esse questionario.
    Ministro Queiroga falhou feio e perdeu uma otima chance de arrebanhar pessoas com pensamento liberal de nao usar experimentos em crianças.
    Ja basta estaren injetando doses e doses em adultos.
    Qur Deus tenha piedade de nos!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.