-Publicidade-

Investigação sobre roubo de testes recai sobre candidato a prefeito de Campinas

Ministério Público quer mandado de busca e apreensão contra Dario Saadi
Dario Saadi é candidato à prefeitura de Campinas (SP) | Foto: Reprodução/Facebook
Dario Saadi é candidato à prefeitura de Campinas (SP) | Foto: Reprodução/Facebook | dario saadi - candidato à prefeitura de campinas - testes de covid-19

Ministério Público quer mandado de busca e apreensão contra Dario Saadi

dario saadi - candidato à prefeitura de campinas - testes de covid-19
Dario Saadi é candidato à prefeitura de Campinas (SP) | Foto: Reprodução/Facebook

Um dos candidatos pela prefeitura de Campinas (SP) pode ter mais coisa para se preocupar além da campanha para o segundo turno. Nesta segunda-feira, 23, o Ministério Público Eleitoral do Estado de São Paulo (MPE-SP) solicitou mandado de busca e apreensão contra Dario Saadi (Republicanos). O motivo alegado pela promotoria é um possível envolvimento do político em negociação para compras de testes roubados da covid-19.

Leia mais: “Eleições 2020: TSE detecta mais de R$ 60 milhões em doações irregulares”

Segundo a promotora Simone Rodrigues Horta Gomes, responsável por fazer o pedido ao Poder Judiciário, Saadi “pretendia adquirir 25 mil testes de laboratório para covid-19”. De acordo com a representação do MPE-SP, tal material teria “origem criminosa”. Para essa afirmação, a instituição analisou conversas entre o hoje candidato a prefeito de Campinas — que conta com apoio do atual mandatário da cidade, Jonas Donizette (PSB) — e Luiz Fernando Mariano Mateus, ex-funcionário comissionado da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer. Saadi era o titular da pasta na ocasião.

“Conforme perícia realizada no aparelho celular de Luiz Fernando Mariano Mateus, na data de 30 de março de 2020, ele manteve diálogo através de WhatsApp do aparelho celular apreendido, melhor especificado nos autos do referido inquérito policial, com o candidato representado, ocasião que oferece o lote de testes subtraído. Em novo diálogo no dia 1º de abril deste ano, o candidato Dario Jorge Giolo Saadi informa o comissionado Luiz Fernando Mariano Mateus, através de mensagem de WhatsApp, ter solicitado uma reunião com a Secretária da Saúde”, afirma o MPE-SP. Para o órgão, o conteúdo analisado indicou “claramente a pretensa intenção em adquirir o produto de origem ilícita que lhe foi oferecido”.

Inquérito policial

O pedido do Ministério Público Eleitoral contra Dario Saadi vai ao encontro de inquérito aberto em abril pela Polícia Civil paulista. Na ocasião, as autoridades falaram em negociação que ocorria no município de São Paulo relacionada aos 25 mil testes de covid-19. “Com a ciência de que houve subtração de testes desse tipo naquela cidade, os abordados foram conduzidos a esta unidade policial especializada para averiguação”, informou a Polícia Civil. Um dos averiguados (e investigados) foi Luiz Fernando Mariano Mateus.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês