Covidão Paulista: respiradores chineses de Doria saíram por R$ 620 mil cada

Governo de São Paulo anunciou cancelamento de contrato com apenas 30% dos equipamentos entregues, mas com R$ 242 milhões já pagos.
-Publicidade-
Negócio da China: primeiro Doria paga R$ 242 milhões, depois recebe apenas 30% do que encomendou | Foto: Governo do Estado de São Paulo
Negócio da China: primeiro Doria paga R$ 242 milhões, depois recebe apenas 30% do que encomendou | Foto: Governo do Estado de São Paulo | covidão paulista, joão doria, respiradores, coronavírus, hichens harrison, contrato, major olímpio

Governo de São Paulo anunciou cancelamento de contrato com apenas 30% dos equipamentos entregues, mas com R$ 242 milhões já pagos

covidão paulista, joão doria, respiradores, coronavírus, hichens harrison, contrato, major olímpio
Negócio da China: primeiro Doria paga R$ 242 milhões, depois recebe apenas 30% do que encomendou | Foto: Governo do Estado de São Paulo
-Publicidade-

Não bastasse ter negociado com um investigado por fraudes no Estado do Paraná, João Doria agora cancelou mais um de seus negócios da China, daqueles que só beneficiam uma das partes do acordo.

O secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann, anunciou em coletiva no Palácio dos Bandeirantes nesta terça-feira,16, que o contrato com a intermediadora Hichens Harrison para a compra de respiradores chineses foi desfeito.

“Um dos fornecedores, a Hitchens Harisson, o contrato terminou o prazo de contratação ontem [15 de junho] e nesse sentido não houve a entrega total daquilo que estava acordado”, disse. “Em função disso, está cancelado o contrato e nós iremos passar de uma fase operacional para uma fase jurídica de encerramento do contrato. Foram entregues até agora 30% daquilo que tinha sido acordado” , afirmou.

O que o secretário estadual de Saúde não disse: 30% significam a entrega até o momento de 384 equipamentos.

Leia também: Covidão paulista: governo aluga contêineres refrigerados para IMLs sem necessidade

A primeira encomenda, feita em março deste ano — e que já é investigada pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP) e pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) — falava em 3 mil respiradores por R$ 500 milhões, com entrega em maio, o que não aconteceu.

O atraso levou o governo a fazer a repactuação do acordo com a Hichens Harrison: Doria entrou com R$ 242 milhões de adiantamento e a empresa traria 1.280 equipamentos da China até 15 de junho. Como se viu, o dinheiro foi, mas apenas 30% do que era para ser entregue, chegou de fato.

“Então cada respirador está custando a bagatela de R$ 620 mil. Dez vezes mais caro que o praticado no Brasil.”, exalta-se o senador Major Olímpio (PSL-SP). “Tem que ter cadeia e ressarcimento aos cofres. Tem que apurar essa safadeza com o dinheiro público nesse momento de pandemia”, diz o senador.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site