CPI da Covid ouve advogada que ajudou a elaborar ‘dossiê’ contra a Prevent Senior

Rede hospitalar é acusada de ocultar mortes por coronavírus e de receitar remédios que não teriam eficácia comprovada
-Publicidade-
Ministério Público de São Paulo criou uma força-tarefa para apurar denúncias
Ministério Público de São Paulo criou uma força-tarefa para apurar denúncias | Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

A advogada Bruna Mendes Morato presta depoimento nesta terça-feira, 28, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19. Ela ajudou médicos na elaboração de um dossiê contra a rede hospitalar Prevent Senior.

Acompanhe o depoimento

-Publicidade-

Entregue à CPI por Bruna, o documento aponta supostas irregularidades que teriam sido cometidas pela Prevent durante a pandemia, entre as quais a ocultação de mortes por coronavírus e a “prescrição de remédios sem eficácia”.

O Ministério Público de São Paulo criou uma força-tarefa para apurar as denúncias e o material de Bruna. A iniciativa de falar ao colegiado partiu da própria advogada, que buscou senadores e se colocou à disposição.

Leia também: “A CPI virou um monstro”, artigo de Silvio Navarro publicado na Edição 72 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. Hoje, qualquer “adevogade”, juridicamente semi-analfabete é especialista em medicamentos a ponto de dizer que tais medicamentos assim e assado “não tem eficácia comprovada”. Francamente não sei de onde tiraram isso e quem garante essa afirmação já que ainda não houve tempo hábil para as conclusões de qualquer estudo a respeito. Neste caso, também se poderia afirmar que as vacinas não tem eficácia comprovada, como aliás começam a aparecer as evidências e aparecerão mais ao longo do tempo. Para mim, não passam de um bando de irresponsáveis que mais parecem papagaios e repetirem alguns bordões divulgados nas redes sociais por outros mais irresponsáveis ainda. Quanto ao fato de se ocultar ou não mortes por covid, é sempre bom questionar se foi feito algum teste nessas pessoas que vieram a óbito com o covid ou pelo covid. Os gênios alegam que se o cidadão estava contaminado e tinha alguma comorbidade, ele foi a óbito por causa dos efeitos do covid, aí eu quero saber como se prova isso. Tem jeito? Eu acho que não, mas como não sou médico, fica a pergunta apenas.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.