CPI da Covid: Tribunal de Haia nega visita de senadores

'G7' esperava entregar relatório da comissão
-Publicidade-
Vice-presidente da CPI, Randolfe culpou o governo
Vice-presidente da CPI, Randolfe culpou o governo | Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Senadores da CPI da Covid não serão recebidos presencialmente por representantes do Tribunal de Haia. É o que informou nesta sexta-feira, 10, o jornal O Globo. Os parlamentares queriam entregar o relatório da CPI à Corte.

Vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) explicou que o tribunal se queixou da publicidade dada à visita dos senadores. Contudo, colocou-se à disposição para receber o documento virtualmente.

A visita era intermediada pela juíza Sylvia Steiner. “Eles não acharam propícia a divulgação do primeiro aceno que fizeram e acho que também teve uma intervenção do governo brasileiro”, disse Randolfe, ao atacar Bolsonaro.

-Publicidade-

O relatório pede o indiciamento de duas empresas e 78 pessoas, entre elas, o presidente da República. Há uma semana, Randolfe comemorou nas redes sociais o anúncio de que a Corte receberia integrantes do G7.

“Acabamos de receber resposta da procuradoria do Tribunal Penal Internacional, que fica em Haia. O tribunal nos receberá para que possamos apresentar o relatório com os resultados”, disse Randolfe, na ocasião.

Com sede na Holanda, o Tribunal de Haia é uma corte responsável por julgar indivíduos acusados de crimes contra a humanidade, crimes de guerra, genocídios e crimes ambientais em larga escala.

Leia também: “Conclusões da CPI da CPI”, artigo de Augusto Nunes publicado na Edição 84 da Revista Oeste

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.