-Publicidade-

Crédito para salários: igrejas são incluídas entre beneficiários

Medida Provisória visa auxiliar pequenas e médias empresas no pagamento de folhas salariais
Foto: CANVA
Foto: CANVA | igrejas - linha de crédito - câmara

Medida Provisória visa auxiliar pequenas e médias empresas no pagamento de folhas salariais

igrejas - linha de crédito - câmara
Foto: CANVA

Organizações religiosas poderão fazer uso de linha de crédito especial destinada para que pequenas e médias empresas consigam pagar suas folhas salariais. Essa foi uma das definições realizadas pela Câmara dos Deputados nesta quarta-feira, 29, ao aprovar as emendas do Senado na Medida Provisória (MP) que trata do assunto.

Leia mais:Governo federal já gastou quase R$ 300 bi com a pandemia

Dessa forma, a MP 944/20 segue para sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro, com itens diferentes do texto original editado pelo Executivo. Além de incluir organizações religiosas — como igrejas —, o Senado havia modificado outros itens. Alterações que foram validadas pelo Plenário da Câmara dos Deputados na votação de hoje.

Conforme registrado pela Agência Câmara, entre as alterações estão:

  • Criação de um sistema de garantias que facilite o acesso ao crédito;
  • Aumento da participação da União em R$ 12 bilhões para a concessão de garantias a empréstimos do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe);
  • Redução, de R$ 34 bilhões para R$ 17 bilhões, do valor a ser injetado pelo governo federal no BNDES para custeio da linha de crédito.

Comemoração

Relator da MP na Câmara, Zé Vítor (PL-MG) comemorou o desfecho da votação, o que envolveu igrejas como beneficiárias. Para ele, as modificações propostas pelo Senado e, consequentemente, aprovados pelos deputados “propõem avanços e aprimoramentos para a redação final”.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.