David Uip diz que não aceitará acordo com gerente que vazou receita de cloroquina

Na época, o presidente Jair Bolsonaro chegou a sugerir que Uip escondia o uso do medicamento por 'questões políticas'
-Publicidade-
Infectologista David Uip
Infectologista David Uip | Foto: J. Duran Machfee/Estadão Conteúdo

O processo aberto na esteira do vazamento da receita médica do infectologista David Uip, ex-coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus no Estado de São Paulo, ainda não tem previsão para chegar ao fim. A celebração de um acordo com o farmacêutico suspeito de divulgar a prescrição, que poderia encerrar a ação, não está nos planos do médico, conforme informou a defesa nesta segunda-feira, 1º de março.

O advogado Luiz Flávio Borges D’Urso, que defende David Uip no caso, comunicou ao juízo e ao Ministério Público de São Paulo que não pretende aceitar nenhuma proposta de conciliação na audiência preliminar marcada para a próxima semana, “independentemente dos termos apresentados”.

Leia mais: “Prefeito do PSDB vai contra Doria e entra na mira do Ministério Público”

-Publicidade-

A justificativa é que o médico e a família dele foram alvo de “incontáveis manifestações de ódio” e de ameaças após o vazamento da receita. Na época, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou a sugerir que Uip escondia o uso do medicamento por “questões políticas”, já que “pertence à equipe do governador de São Paulo”.

“O prof. David Uip suportou enorme sofrimento, quando foi alvo de incontáveis manifestações de ódio, tanto pessoalmente como pela internet, além de seus familiares, esposa, filhas e filhos, que passaram a ser alvo, inclusive, de ameaças, tudo por causa do crime praticado pelo acusado, quando ‘vazou’, em grupos de WhatsApp, a receita da vítima, na qual esta se autoprescrevia o medicamento cloroquina para ser adquirido e eventualmente ministrado”, informou a defesa.

Com a recusa, o processo deve entrar na etapa de transação penal. Nessa fase, o Ministério Público decide se apresenta ou não pena criminal.

O inquérito para apurar o caso foi aberto em abril do ano passado e a Promotoria apontou a ocorrência de crime de violação do segredo profissional pelo gerente. O vazamento foi percebido quando passaram a circular, nas redes sociais, imagens da receita médica em que o infectologista, que estava com a covid-19, prescreveu cloroquina a si próprio. A investigação indicou que o gerente da farmácia que vendeu o medicamento teria vazado a foto em grupo WhatsApp. Embora tenha deixado a coordenação do Centro de Contingenciamento de São Paulo, David Uip continua trabalhando no comitê do governo paulista.

Com informações do Estadão Conteúdo

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site