Delegado vazou operação da PF a Flávio Bolsonaro, diz empresário

Informação é de Paulo Marinho. Suplente de senador, ele é aliado de João Doria; filho do presidente classifica entrevista como “invenção”
-Publicidade-
O senador Flávio Bolsonaro | Foto: DIVULGAÇÃO
O senador Flávio Bolsonaro | Foto: DIVULGAÇÃO | flávio bolsonaro - campanha de difamação - fabrício queiroz

Informação é de Paulo Marinho. Suplente de senador, ele é aliado de João Doria; filho do presidente classifica entrevista como invenção

Flávio Bolsonaro é acusado por suplemente de ter acesso a informações da PF | Foto: Divulgação

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) foi supostamente informado por um delegado da Polícia Federal (PF) que seria desencadeada uma operação policial cujo um dos alvos era seu ex-assessor Fabrício Queiroz entre o primeiro e o segundo turno das eleições de 2018. A informação foi dada pelo empresário Paulo Marinho em entrevista à Folha de S. Paulo. O senador, por sua vez e em nota oficial, classificou a entrevista como “invenção de alguém desesperado e sem votos”.

-Publicidade-

PF E O GOVERNO: “Não interfiro em nada”, diz Bolsonaro

Segundo Marinho, o vazamento das informações ocorreu por iniciativa exclusiva do delegado, que trabalhava na Superintendência da PF no Rio de Janeiro. Ele repassou informações sobre a operação Furna da Onça, que expôs detalhes sobre a atuação de Fabrício Queiroz na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Ainda de acordo com a entrevista, o delegado informou que a ação policial foi postergada para não coincidir com o período eleitoral. Paulo Marinho é suplente de Flávio, mas tornou-se aliado do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e agora tenta eleger-se prefeito do Rio de Janeiro.

Em nota oficial, Flávio Bolsonaro disse que “o desespero de Paulo Marinho causa um pouco de pena”. “(Marinho) Preferiu virar as costas a quem lhe estendeu a mão. Trocou a família Bolsonaro por Dória e Witzel, parece ter sido tomado pela ambição. É fácil entender esse tipo de ataque ao lembrar que ele, Paulo Marinho, tem interesse em me prejudicar, já que seria meu substituto no Senado. Ele sabe que jamais teria condições de ganhar nas urnas e tenta no tapetão”, rebateu o senador.

CASO MORO: Tácio Muzzi é escolhido superintendente da PF no Rio

Ainda conforme Marinho, um assessor de confiança de Flávio Bolsonaro, o ex-coronel Miguel Braga, recebeu uma ligação desse delegado da PF para passar informações de interesse do então candidato ao Senado. Assim, o ex-coronel teve uma reunião com o delegado federal, na qual estiveram presentes também advogado Victor Alves e de outra pessoa da confiança de Flávio, Val Meliga. Foi nesta reunião que o delegado supostamente vazou informações sobre os preparativos da operação da PF que chegou a Queiroz. O nome do delegado não foi informado por Marinho.

O senador Flávio Bolsonaro classifica as acusações de Marinho como “estórias” e invenção. “E por que somente agora inventa isso, às vésperas das eleições municipais em que ele se coloca como pré-candidato do PSDB à Prefeitura do Rio, e não à época em que ele diz terem acontecido os fatos, dois anos atrás? Sobre as estórias, não passam de invenção de alguém desesperado e sem votos”.

O suplente de senador é pré-candidato à prefeitura do Rio de Janeiro e conta com o apoio do governador de São Paulo. Marinho também prestou depoimento na CPMI das Fake News e alegou ter sofrido campanha de linchamento virtual nas redes sociais após romper com o presidente Jair Bolsonaro e seus filhos. Marinho foi chamado de “traidor” por apoiadores de Bolsonaro.  “Paulo Marinho, candidato a prefeito do RJ pelo PSDB solta informações sem dar nomes e, se forem verídicas, prevaricou e seria tão culpado quanto aqueles que agora acusa de forma tão conveniente”, destacou a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP).

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

10 comentários Ver comentários

  1. Temos hoje no País 500 milhões de pessoas atrás de 2 minutinhos de fama. Está enchendo o saco isto, já. São oportunistas de plantão, aproveitando-se da crise da pandemia. Se tivessem “ocupação”, estariam sem tempo para prejudicar o País com denúncias, manifestos, pedidos de impeachment e etc. Ponham na cabecinha de vocês : ” NÃO VAI TER GOLPE”.

      1. Meu amigo, com êste confinamento sem prazo de duração, seremos 500 milhões em pouco tempo..

  2. O establishment está em desespero total e insano. Devem ser os 30% de apoio que o presidente mantém a despeito de todos os ataques que eles imaginavam seriam suficientes para derrubá-lo, sem sucesso; são pessoas que não estão acostumadas com a impotência, e aí quando acontece eles surtam. Mas é absurdo do que são capazes: até ontem, a narrativa era de que o presidente queria interferir na PF porque esta não passava informações para ele e sua família. Quando viram que essa narrativa havia feito água, passaram para dizer o oposto agora: que a PF passou informações! Antes o presidente tinha de cair porque a PF não o informava, agora tem que cair porque a PF o informa!

    E não nos esqueçamos que, no bojo desse desespero, vêm as ações ditatoriais e anti-democráticas praticadas pelos governadores e judiciário contra o povo. Não é só uma guerra de narrativas, é uma guerra contra o cidadão brasileiro, com o objetivo claro de prejudicar pessoas, o que eles imaginam que vai prejudicar indiretamente o presidente. São criminosos da mais alta periculosidade, e me pergunto o que ainda vai ser preciso para que as forças armadas cumpram a sua, tão propalada por eles mesmos, função constitucional de proteger a Constituição e defender as instituições de bandidos que queiram usá-las para atacar o povo com objetivos eleitoreiros.

  3. Espero que seja apenas um “conto” no período eleitoral. Moro como Ministro permitiria tal vazamento? Moro afirma que barrava as supostas tentativas de interferências de Bolsonaro. Por que não divulgou o nome do delegado da PF? Sei não…

      1. Nâo, Paulo, a abordagem é bem diferente. Eles não endossam a denúncia, como os Sinhás Antas devem estar fazendo, apenas a reportam. Por sinal, eles viviam denunciando o Paulo Marinho kkkk. Deve ser difícil agora para eles ter que endossá-los

    1. Denúncia do.maior lobista carioca kkkkk, gente finíssima?, que não teve seus interesses atendidos pelo governo federal e hoje é aliado de Doriana, gde parceiro da iniciativa privad?a.Interessante que a denúncia o coloca como cúmplice do fato denunciado. Isso que é uma denúncia com credibilidade????????

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.