Depois de críticas, relator reduz fundão eleitoral para R$ 4,7 bilhões

Valor retirado será direcionado a obras inacabadas na área de educação
-Publicidade-
Na disputa mais recente, foi destinado R$ 1,7 bilhão para os políticos fazerem campanha
Na disputa mais recente, foi destinado R$ 1,7 bilhão para os políticos fazerem campanha | Foto: Rodolfo Stuckert/ Agência Senado

O fundão eleitoral deve ficar em R$ 4,7 bilhões — antes, seria de R$ 5,1 bilhões. É o que definiu o relator do texto, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), nesta terça-feira, 21, na comissão do Orçamento de 2022. A medida ainda precisa ser aprovada.

Conforme ficou acertado, a diferença de valores será direcionada para obras inacabadas na área de educação. Apesar da redução, se comparada ao relatório anterior, na prática, haverá um aumento de 176% do fundão.

Na disputa mais recente, foi destinado R$ 1,7 bilhão para os políticos fazerem campanha. O fundo foi criado em setembro de 2017 como uma alternativa à proibição do financiamento privado de campanhas.

-Publicidade-

Em parte, o recurso vem da transferência de 30% das emendas de bancadas de deputados e senadores em ano eleitoral. Outra fonte é o montante equivalente à compensação fiscal, antes paga às emissoras de rádio e TV.

A origem

Tudo começou em 2011, quando a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ingressou no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando o financiamento de empresas a campanhas eleitorais. Em 2015, no auge da Operação Lava Jato, a Corte declarou, por 8 votos a 3, a inconstitucionalidade das doações de empresas para as campanhas. A decisão veio depois que a força-tarefa escancarou um esquema bilionário de corrupção nos governos petistas. Parte desse dinheiro era repassada por empresas a partidos políticos por meio de doações de campanha, seja de forma legal seja caixa dois.

Diante da decisão do STF, o Congresso se mobilizou e, em 2017, criou o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC). Nas eleições de 2018, o primeiro ano em que o dinheiro público, na teoria, foi responsável por quase todo o financiamento, o montante gasto foi de R$ 1,7 bilhão. No ano passado, destinaram-se R$ 2 bilhões para as eleições municipais, um reajuste próximo à inflação do período.

Leia também: “A imoralidade do fundão eleitoral”, reportagem publicada na Edição 70 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

14 comentários Ver comentários

  1. Cambada de ladrões, roubando do povo para reelegerem-se para continuarem roubando esse mesmo povo. ACORDA POVO OMISSSO! ZERO PARA ESSSE FUNDÃO ELEITORAL DE LADRÕES JÁ É MUITO.

  2. RENOVEM COMPLETAMENTE O CONGRESSO BRASILEIRO. Assim acertamos também o STF.
    Trabalhemos com afinco pois é a única empreitada que valerá à pena.
    Esses gangsters pisam em nossas almas há mais de 30 anos pelo menos, num conluio sórdido a ponto de oficializarem parcerias com Lula, Alckmin, Doria e essa gentalha saltitante
    Vá de retro Satanás

    1. CANALHAS CANALHAS MIL VEZES!!!! POVO ACORDA!!!! TEMOS QUE TROCAR TODOS QUE PUDERMOS, É UMA VERGONHA ISSO TUDO!!! TIRAR VÁRIOS SENADORES E QUEM SABE, COMEÇAREMOS A TROCAR OS INTEGRANTES DO INSTITUTO LULA, VULGO STF!!!

  3. Então, isso que aconteceu foi um verdadeiro “Black Friday” no congresso, na verdade, uma “bela fraude”
    O VR do fundo eleitoral de 2018 foi de 1,7 bi.
    Esse ano os caras (direita + esquerda) subiram para mais de 6 bi. Mas na verdade o que eles queriam era o dobro de 1,7 bi corrigido, aproximadamente 4 bi,
    Então, sabendo que iria ter contestação e diminuição, fizeram esse barulho todo de 6 bi, pra chegar onde queriam…..a Black Friday é a mesma coisa, que o final vira uma bela fraude.

  4. De acordo com a sua opinião e revolta. Porém estou perdendo as esperanças porque eles são muito fortes e a corja é grande e muito organizada!⁵

  5. O nosso CONGRESSO em sua grande maioria é composto por Parlamentares que deveriam estar é na CADEIA que é o devido lugar deles, mas eles tem o foro privilegiado e a benevolência dos Togados do STF e nessas picaretagens deles quem se ferra é o pagador de Impostos, isso é uma tremenda canalhice que fazem conosco, tirar 4,7 bilhões para esses vagabundos corruptos se elegerem as custas de dinheiro público que deveriam ir para educação, saúde, habitação, segurança e quem quer ser candidato que faça com o dinheiro de seu bolso ou de amigos que acreditem nele. Isso tem que acabar nós somos realmente IDIOTAS, portanto, pelo menos em 2022 vamos tentar tirar esses crápulas do Congresso, para ver se conseguimos melhorar o nível desses picaretas. CONGRESSO NACIONAL NÃO NOS REPRESENTA, TENHO NOJO E REPÚDIO DESSA TURMA.

  6. Um bando de canalhas. Criam dificuldades para venderem facilidades, não ? É muita cara de pau, só gado e retardado para cair nessa. Não teria que ter um centavo de fundão, KD a lista dos malditos que derrubaram o veto do presidente ? Pq a Jp e vcs não divulgam diariamente ?

  7. Assalto aos cofres públicos não era nem pra existir. Mas a malandragem é tamanha que pensam que o povo é idiota e não percebe as manobras de picaretagem de elevar o valor às alturas para depois reduzí-lo. O POVO ACORDOU! ACORDOU! ACORDOU. FIM DO FUNDÃO SÓ NO BRASIL QUE O POVO PAGA COM SEUS IMPOSTOS PARA ELEGER ISSO AÍ!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.