Deputados querem CPI sobre viagem de Arthur do Val

Requerimento pede investigação sobre irregularidades na arrecadação de fundos para missão na Ucrânia
-Publicidade-
Arthur do Val enfrenta pedido de CPI e risco de cassação na Alesp
Arthur do Val enfrenta pedido de CPI e risco de cassação na Alesp | Foto: Felipe Rau/Estadão Conteúdo

Um grupo de 32 deputados da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) assinou requerimento na terça-feira 22 pedindo abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a viagem de Arthur do Val à Ucrânia.

O pedido se refere à arrecadação que o deputado estadual (ex-Podemos, atualmente sem partido) e o Movimento Brasil Livre (MBL) conseguiram para a viagem. A ideia é que a CPI investigue supostas irregularidades na obtenção de R$ 275 mil em doações de simpatizantes.

Deputados de dez partidos assinaram o pedido, protocolado por Gil Diniz (PL). Arthur do Val também enfrenta um processo de cassação na Assembleia Legislativa paulista.

-Publicidade-

O pedido de CPI aponta Arthur do Val como suspeito de ilicitudes sobre a remessa de divisas ao exterior, aplicação nacional e internacional do dinheiro arrecadado e na prestação de contas dos valores, levantados oficialmente em favor de ajuda humanitária a ucranianos.

O parlamentar e o MBL são acusados de induzir os simpatizantes a doar dinheiro para uma chave Pix cujo titular e beneficiário não é nenhum órgão ucraniano, mas, sim, uma instituição privada chamada Movimento Renovação Liberal.

A instituição é presidida por Alexandre Henrique Ferreira dos Santos, fundador do MBL e irmão de Renan Santos, coordenador do grupo, que também viajou à Ucrânia com Arthur do Val.

“Do valor total arrecadado, apenas 15% tiveram a destinação que havia sido prometida ao público doador no início da campanha, isto é, o Movimento Renovação Liberal, beneficiário das doações, repassou apenas 15% do montante doado pela população para itens de ajuda humanitária à população civil. E 0% do valor arrecadado foi doado diretamente à conta do Exército ucraniano”, aponta o requerimento.

O documento ainda ressalta que o MBL apresentou um comprovante de transação efetuada em benefício da Representação Central Ucraniano-Brasileira, entidade registrada em âmbito nacional.

“Qual a razão de pedir publicamente dinheiro para a conta do MRL, e não diretamente à conta da entidade ucraniana registrada no Brasil, para onde o dinheiro, a ser verdadeiro o comprovante apresentado pelo MBL, foi efetivamente doado?”, questiona o requerimento.

Em paralelo ao pedido de CPI, Arthur do Val enfrenta o risco de cassação. No último dia 18 de março, o Conselho de Ética da Alesp aprovou a abertura de um processo contra o parlamentar, em virtude de falas sexistas sobre mulheres ucranianas, expostas publicamente em áudios. O integrante do MBL vai ter cinco sessões plenárias para se defender. Depois, o conselho escolherá o relator do caso.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.