Desembargador que humilhou guardas reaparece na orla de Santos, agora de máscara

Fotos passaram a circular nas redes sociais e teriam sido tiradas pela manhã
-Publicidade-
Desembargador Eduardo Almeida Prado Rocha Siqueira | Foto: Reprodução/Redes Sociais
Desembargador Eduardo Almeida Prado Rocha Siqueira | Foto: Reprodução/Redes Sociais

Fotos passaram a circular nas redes sociais e teriam sido tiradas pela manhã

desembargador Eduardo Almeida Prado Rocha Siqueira
Desembargador Eduardo Almeida Prado Rocha Siqueira | Foto: Reprodução/Redes Sociais
-Publicidade-

O desembargador Eduardo Almeida Prado Rocha Siqueira, que ofendeu e tentou intimidar guardas civis municipais ao ser abordado por estar sem máscara de proteção facial, foi flagrado usando o EPI durante uma caminhada na orla de Santos, no litoral paulista.

As fotos passaram a circular nas redes sociais nesta quarta-feira e teriam sido tiradas na manhã desta quarta-feira, 22.

O caso ganhou repercussão no último sábado, 18, quando o magistrado chamou de “analfabeto” o agente que lhe pediu que colocasse o equipamento, de uso obrigatório em locais públicos do município durante a pandemia do novo coronavírus.

Leia mais: “CNJ vai apurar conduta de desembargador que chamou guarda de analfabeto”

Siqueira chegou a desafiar os guardas a multá-lo e a insinuar que jogaria a autuação “na cara” de um dos agentes caso ele insistisse na notificação.

O desembargador também ligou para o secretário de Segurança Pública de Santos, Sérgio Del Bel, e evocou um suposto irmão procurador de Justiça para intimidar os guardas.

O decreto que estabeleceu a obrigatoriedade do uso de máscara de proteção facial em locais públicos, comércios, transportes e ambientes de trabalho em Santos foi editado ainda em abril e passou a valer em 1º de maio. Desde então, moradores flagrados sem o EPI são multados em R$ 100 e estabelecimentos em R$ 3.000.

Com informações do Estadão Conteúdo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Basta ser do judiciário para pensar que é Deus. Às vezes penso que poder não combina com brasileiro. Quando misturam os dois sempre pinta carteirada ou corrupção, salvo raras exceções.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.