Distribuição de cloroquina entra na mira do TCU, afirma jornal

Órgão cobra explicações por parte do Ministério da Saúde
-Publicidade-
Hidroxicloroquina
Hidroxicloroquina | Foto: Divulgação/EMS

O Tribunal de Contas da União (TCU) vê indícios de irregularidades na distribuição de cloroquina e hidroxicloroquina feita recentemente pelo Ministério da Saúde. Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo publicada nesta terça-feira, 26, as suspeitas foram apontadas por auditoria vinculada ao órgão.

Leia mais: “Após ‘fura-fila’, governo do Amazonas demite dois”

No entendimento do TCU, a distribuição dos medicamentos à rede do Sistema Único de Saúde (SUS) para pacientes em tratamento contra a covid-19 deveria ser considerada ilegal. De acordo com o material publicado pela Folha, a área técnica do órgão afirmou que, nesse caso, o Ministério da Saúde não seguiu o parecer da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

-Publicidade-

“Como não houve manifestação da Anvisa acerca da possibilidade de utilizar os medicamentos à base de cloroquina para tratamento da covid-19, tampouco dos órgãos internacionais antes mencionados, verifica-se não haver amparo legal para a utilização de recursos do SUS para o fornecimento desses medicamentos com essa finalidade”, afirma trecho do documento do TCU.

Apesar do entendimento por parte de auditores do TCU, autoridades do governo federal — como o presidente Bolsonaro e o ministro das Comunicações, Fábio Faria — fizeram uso da hidroxicloroquina ao ser diagnosticadas com coronavírus. Titular da Saúde, Eduardo Pazuello chegou a dizer que tinha tomado o “kit completo” contra a covid-19. Favorável ao remédio como forma de combate ao vírus chinês, a pasta liderada por ele enviou, já em 2021, 120 mil comprimidos de hidroxicloroquina a Manaus.

Posicionamento

Como relator do processo no TCU contra o Ministério da Saúde entregue pela auditoria, o ministro Benjamin Zymler cobra explicações da pasta. Ele deu cinco dias para o ministro Eduardo Pazuello explicar-se a respeito da distribuição de cloroquina e hidroxicloroquina a infectados com a covid-19. O prazo começou a contar na última sexta-feira, 22. Ou seja: Pazuello tem até amanhã para se justificar ao TCU.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Pôr que dá voz a uma bosta de reportagem desse lixo da folha, quando é para prejudicar a direita vocês e eles seguem o pacto do silêncio, vocês parecem o PSOL puxadinho do pt, vocês puxadinho da mídia poderem, não vou mais seguido Los a advertir a todos nas redes sociais fazer o mesmo.

  2. Os outros remédios, como corticoides, antibióticos, anticoagulantes, etc, que os médicos e hospitais usam para tratar os pacientes com covid-19 tiveram manifestação prévia da Anvisa? Segundo afirmam pesquisadores, médicos e cientistas, não há medicação comprovada para a cura de pacientes com covid-19, ou seja, remédio específico. Os remédios tratam os sintomas, os efeitos e as consequências da doença. A cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina, etc, são medicações aprovadas e utilizadas no País há muito tempo, assim como as demais drogas. Todas as medicações estão sendo utilizadas de modo experimental, assim como as vacinas. Quem decide “o melhor tratamento” ou o “possível tratamento” é o médico junto com o paciente. E o Estado tem o dever de disponibilizar todas as medicações para o SUS, sob pena dos menos favorecidos ficarem sem opção e em desvantagem dos pacientes da rede privada ou particular. A maioria das pessoas não tem condição financeira de pagar uma consulta médica e comprar remédios. Aliás, não é novidade a utilização de remédios experimentais para várias doenças. Os planos de saúde são até obrigados a dar cobertura, em razão de decisão judicial. Dizer que a hidroxocloroquina causa efeitos colaterais graves é uma falácia. Fosse assim não poderia ser usada para pacientes com lúpus, malária, Zica vírus, etc. Na verdade, o que está causando efeitos colaterais graves na população e até a morte de pessoas é a politicagem e a colocação de ideologia à frente da saúde, inclusive por médicos e outros personagens da “comunidade científica”.

  3. Perguntar não ofende : Teve Funcionários do TCU que contraíram Coronavírus, se teve, com que se trataram? Pelo que sei o Dr David UIP e Dr Kallil também fizeram uso desses medicamentos precocemente, ou não? Isso não é problema de TCU e nem do Ministério da Saúde, isso é problema exclusivo do Médico e do Paciente, o resto é pó, tipica retrógrada, ou não? Só cabe ao Ministério da Saúde prover os Postos de Saúde de remédios e fim de papo.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.