-Publicidade-

Doação de sobras de refeições é autorizada por Bolsonaro

Doação deverá ser gratuita e não vai configurar relação de consumo; medida deve evitar o desperdício de alimentos.
Sobras de alimentos poderão ser doadas aos mais necessitados | Foto: Frans Van Heerden/Pexels
Sobras de alimentos poderão ser doadas aos mais necessitados | Foto: Frans Van Heerden/Pexels | doação, sobras, alimentos, jair bolsonaro, lei

Doação deverá ser gratuita e não vai configurar relação de consumo; medida deve evitar o desperdício de alimentos

doação, sobras, alimentos, jair bolsonaro, lei
Sobras de alimentos poderão ser doadas aos mais necessitados | Foto: Frans Van Heerden/Pexels

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei nº 14.016/2020 que autoriza a doação de alimentos e refeições não vendidos por parte de supermercados, restaurantes e outros estabelecimentos.

A medida foi aprovada no início do mês pelo Congresso e publicada nesta quarta-feira no Diário Oficial da União.

Os itens devem estar dentro do prazo de validade e em condições de conservação especificadas pelo fabricante.

Ainda segundo a lei, para serem doados, os alimentos devem ter as propriedades nutricionais mantidas, mesmo com dano parcial ou aspecto comercialmente indesejável.

A doação deverá ser gratuita e, em nenhuma hipótese, configurará relação de consumo.

A lei prevê que sejam beneficiadas pessoas, famílias ou grupos em situação de vulnerabilidade ou de risco alimentar ou nutricional.

Pelo texto, essa doação poderá ser feita diretamente, em colaboração com o poder público, ou por meio de instituições beneficentes.

Responsabilização em casos de dano

A lei estabelece ainda que, caso os alimentos doados causem danos, os doadores só serão acionados se houver intenção de prejudicar outra pessoa.

Da mesma forma, o mesmo será aplicado na esfera criminal, sendo a entrega feita diretamente ao consumidor ou a um intermediário.

De acordo com a lei, durante a pandemia da covid-19 o governo federal deverá comprar alimentos preferencialmente de agricultores familiares e pescadores artesanais que não podem vender sua produção de forma direta em razão da suspensão de funcionamento de feiras e outros equipamentos de comercialização.

Em nota, a Secretaria-Geral da Presidência da República explicou que, além de combater o desperdício de alimentos, a medida tem o objetivo de “combater a fome e a desnutrição, valorizar a responsabilidade social e a solidariedade entre os brasileiros e auxiliar a superação da crise econômica e social gerada pela atual pandemia”.

Leia também: ‘Fome e miséria matam historicamente mais que qualquer epidemia’, diz Onyx Lorenzoni

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.