-Publicidade-

Doria e Covas batem boca sobre novas restrições em São Paulo

Governador paulista diz que faltou 'bom senso' à gestão municipal; 'o senso que falta é o senso de urgência', rebateu o prefeito
Bruno Covas e João Doria se desentenderam publicamente após anúncio de novas restrições na capital
Bruno Covas e João Doria se desentenderam publicamente após anúncio de novas restrições na capital | Foto: Governo do Estado de São Paulo

Um dia após o anúncio do prefeito Bruno Covas (PSDB) de que antecipará cinco feriados e ampliará o horário do rodízio de veículos para conter a disseminação do coronavírus, o governador paulista, João Doria (PSDB), criticou as medidas e pediu “bom senso” ao colega de partido. Covas, por sua vez, respondeu ao seu antecessor no cargo.

“As prefeituras têm autonomia para suas decisões e nós reconhecemos isso. Mas há certas decisões que o bom senso recomenda que sejam compartilhadas com o governo, dado o impacto nas cidades vizinhas”, afirmou Doria. “Faltou um pouco de bom senso da prefeitura para evitar o mal-estar que acabou provocando. Vamos [tentar] reduzir isso ao mínimo possível”, completou o tucano.

Leia mais: “‘Hipocrisia’, diz Bolsonaro sobre fechamento de praias no Rio”

O governador de São Paulo vem sendo pressionado por prefeitos de cidades do litoral do Estado, que preveem uma “invasão” de paulistanos durante os dez dias do “megaferiadão” na capital paulista a partir da próxima semana. “Infelizmente, a decisão do prefeito foi anunciar sem entendimento prévio, o que criou esse mal-estar. Recebemos várias manifestações de prefeitos e prefeitas do litoral e da região metropolitana”, prosseguiu Doria. “O Centro de Contingência está avaliando e hoje temos uma reunião para anunciar algumas medidas. Vamos atender a solicitações que forem feitas por esses prefeitos para evitar a superlotação no litoral. Eles têm toda razão nessa preocupação.”

Leia também: “Bolsonaro vai ao STF contra restrições impostas por prefeitos e governadores”

Covas, por sua vez, reagiu às declarações de Doria e escancarou a crise entre as duas principais lideranças tucanas no Estado. Do Hospital Sírio-Libanês, onde realizará mais uma sessão de quimioterapia no tratamento contra o câncer, o prefeito rebateu as críticas do governador.

“O senso que falta é o senso de urgência. Aqui na prefeitura tem menos ‘falação’, o foco é no trabalho e na colaboração”, disse Covas. “Faço o máximo que posso para defender o povo da minha cidade. Sempre estou aberto a colaborar com outras cidades e com o governo do Estado. Mas cada um precisa assumir suas responsabilidades.”

Leia também: “Caos absoluto na gestão”, reportagem publicada na Edição 51 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

22 comentários

  1. Imperador deve estar sambando miudo nas ca;ças apertadinhas pela rebeldia do seu lacaio. Ambos loucos, sociopatas e ridículos.
    O que mais dizer sobre esses desqualificados e seu séquito de dementes a quem se soma secretária da economia desiquilibrada….?
    Resolvam o problema da aglomeração no transporte publico e, talvez, terão chance de justificar, aos que nao usam o transporte publico, que fiquem em casa. Seus DEMENTES!!

  2. Duas figuras irrelevantes, que brincam de ser governador e prefeito, batendo boca sobre suas medidas igualmente equivocadas. #PrayForSP

  3. O João Bosta Júnior quer acabar com o que sobrou do PSDB. E Bruno Covas está tentando preservar o que resta. O Tasso Jereissati, que nunca se quer foi sondando para ser candidato a presidente da República: juntamente com o ant Cristo, Fernando Henrique Cardoso; e a bicha louca leite azedo que governa o Rio Grande do Sul são os que apoiam as loucuras do João Bosta Júnior.

  4. Os amiguinhos começaram a se pegar…Uma hora isso aconteceria. O “calcinha apertada” adora puxar tapetes e jogar suas responsabilidades para os outros e sair de boa.

    1. Sempre assim,
      Quando a incompetência desses socialistas é cobrada pelo povo,
      Um joga a culpa no outro sem a mínima serimonia.

  5. O Coveiro e o Agripino Dória Calça Apertada poderiam resolver as diferenças em um belo jantar em Miami ou assistindo uma partida de futebol no Maracanã. Mas na verdade já imagino as duas se arranhando, puxando cabelo um do outro, o calça apertada preocupado com o cabelo, gritando um com o outro quem é mais ditador, quem manda mais, e por aí vai.

  6. Onde estão os preparos iniciados em março 2020 para reduzir o colapso dos hospitais seus dois incompetentes? Tem que fazer muitas contas para saber qual dos dois é o menos qualificado. Irresponsáveis!

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.