Antifeminista, deputada estadual é a mais votada de Santa Catarina

Parlamentar é autora do 1° livro contra o feminismo da América Latina
-Publicidade-
A deputada estadual Ana Campagnolo (PL-SC) foi a mais votada do Estado de Santa Catarina | foto: Redes sociais
A deputada estadual Ana Campagnolo (PL-SC) foi a mais votada do Estado de Santa Catarina | foto: Redes sociais

Com 196.571 dos votos, a deputada estadual Ana Campagnolo (PL-SC) foi a mais votada do Estado de Santa Catarina. A informação foi confirmada, no domingo 2, pelo Tribunal Superior Eleitoral. Ana é professora de história e ficou conhecida nacionalmente por seu posicionamento antifeminista nas redes sociais.

Trata-se do segundo mandato consecutivo da parlamentar. Em 2018, ela filiou-se ao PSL, na época, partido do presidente e candidato a reeleição, Jair Bolsonaro (PL), e obteve mais de 34 mil votos. Natural de Itajaí (SC), Ana é professora de história e, antes de ser eleita, lecionava em escolas públicas de Chapecó (SC).

A deputada também é autora do primeiro livro antifeminista da América Latina: Feminismo, Perversão e Subversão (2019). No ano passado, ela lançou seu segundo livro contra o feminismo, Guia de Bolso Contra Mentiras Feministas, em que foi organizadora com mais de dez coautores.

-Publicidade-

Ana ainda possui um curso on-line antifeminista, com vários professores, em que reúne, em diversos módulos, os aspectos históricos do mundo para explicar o movimento feminista. Além disso, também possui outros dois cursos sobre política e conservadorismo: Clube Campagnolo 1.0, 2.0 e Clube Brasil.

Em junho deste ano, a deputada reuniu 14 assinaturas para instaurar a CPI do Aborto, a fim de investigar as circunstâncias que levaram uma menina de 11 anos a abortar um bebê de 7 meses, em Florianópolis. O procedimento foi autorizado por decisão judicial. Contudo, a CPI só vai iniciar os trabalhos depois das eleições deste ano.

A luta do antifeminismo

A luta de Ana contra o feminismo começou em 2013. Na época, a deputada foi selecionada para participar de um mestrado na Universidade Pública do Estado de Santa Catarina, com o projeto “Virgindade e Família: Mudança de Costumes e o Papel da Mulher Percebido Através da Análise de Discursos em Inquéritos Policiais de Chapecó”.

A professora escolhida pela banca para orientar Ana foi Marlene de Fáveri, que ministrava a disciplina “História e Relações de Gênero”. Contudo, logo na primeira semana de aula, a parlamentar relatou que os colegas de mestrado entraram na sua página do Facebook e denunciaram para Marlene os conteúdos que a mestranda postava.

Os companheiros de classe de Ana argumentaram que os comentários dela eram “machistas e preconceituosos”. A docente então enviou um e-mail para Ana explicando que, pelo posicionamento dela, conservador e antifeminista, o tema de pesquisa dela não combinaria com suas ideias e nem com “as práticas acerca das conquistas feministas”.

Além disso, a professora orientou a parlamentar a “analisar melhor as coisas” que ela compartilhava nas redes. “Está se expondo de forma equivocada, talvez”, escreveu Marlene. “Ou seria mesmo assim que pensas?”

Ana acabou deletando as publicações das redes sociais, a pedido da professora. Entretanto, no semestre seguinte os conflitos começaram novamente. A mestranda deu uma entrevista ao Conexão Conservadora e comentou, com base em suas crenças, que o lugar social da mulher não é igual ao do homem. A opinião de Ana virou um escândalo em sala de aula.

“Marilene me disse que eu era uma vergonha para o curso”, contou a deputada, em entrevista ao portal UOL, em 2017. “E meus colegas me falaram que meus argumentos eram pobres, que não tinham fundamentação. Também ouvi que uma conservadora jamais seria aceita.”

A pedido da orientadora, Ana foi desligada da cátedra de História e Relações de Gênero em 2014. A deputada explicou que, sem ter opção, foi obrigada a aceitar trabalhar com o tema violência urbana, com o qual ela não tinha afinidade, pois nenhuma orientadora feminista a aceitou.

Em julho de 2016, a parlamentar apresentou o trabalho e foi reprovada. No mesmo mês, ela protocolou um processo contra Marilene, pedindo uma indenização de mais de R$ 17 mil. Conforme ela, foi perseguida por “professores totalitários que não aceitavam pensamentos diferentes”, por ser antifeminista e cristã. Em 2017, Ana perdeu o processo na Justiça.

Entretanto, toda situação impulsionou a professora de história a mergulhar cada vez mais nos estudos sobre feminismo, tornando-a uma referência nacional quando o assunto é ser antifeminista.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

14 comentários Ver comentários

  1. Perguntamos aos candidatos ao governo de São Paulo como acabar com a Cracolândia, reduto de viciados no centro da capital paulista. Veja o que eles responderam:

    *Fernando Haddad (PT):* Essa população de viciados não pode ficar na rua, vamos alugar apartamentos para eles morarem no centro de São Paulo e lhes dar algum dinheiro para comprarem comida.

    *Tarcísio de Freitas (Republicanos):* É necessario promover o acolhimento para reinserção social, com desintoxicação, capacitação, geração de trabalho e renda. Melhorar as condições das comunidades terapêuticas, com proximidade à natureza. Criar “portas de saída” como programas de inserção de pessoas em situação de rua, ex-dependentes e egressos do sistema prisional no mercado de trabalho formal, principalmente em empresas parceiras e em obras contratadas e/ou concedidas pelo Estado.

    https://revistaoeste.com/politica/eleicoes-2022/cracolandia-o-que-dizem-os-programas-dos-candidatos-ao-governo-de-sp/

  2. Parabéns Ana por suas posições frente aos movimentos feministas. Suas posições realmente põem a mulher no seu lugar, pela garra, trabalho e conquistas e não pelo grito histérico. Mais uma vez o povo catarinense reconhece teu trabalho. continue assim. Orgulho de mulheres, homens e principalmente, das famílias catarinenses.

  3. O feminismo é o machismo de saia

    Parabéns às mulheres de direita bem resolvidas que a elegeram, e aos homens bem resolvidos que a elegeram e sabem que o machismo não leva a nada.

    1. Depois dessa vou até lavar a louça aqui em casa…kkkk……Falando sério, as mulheres bem resolvidas são encantadoras. Nada mais agradável do que ver o sucesso de uma mulher feminina, que não precisa tentar parecer um homem para isso.
      Parabéns a deputada catarinense !

  4. Parabéns a deputada 👏👏👏👏a quadrilha que nos governou dividiu um um único povo, em dois. Um que são a favor de princípios, outros que já viviam suas vidas independente do ponto de vista dos outros, mas que levantaram suas BANDEIRAS e querem impor seus modos de vida goela abaixo dos demais. “O bem sempre vende o mau”. Satanás vai cair por terra!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.