Bolsonaro gasta menos entre os candidatos à Presidência

Lula, Ciro e Simone Tebet usam quase que exclusivamente o dinheiro dos pagadores de impostos para pagar a conta
-Publicidade-
O presidente Jair Bolsonaro fala à  imprensa ao sair do Palácio da Alvorada | Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa ao sair do Palácio da Alvorada | Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil | Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Entre os quatro candidatos à Presidência da República das eleições de 2022 mais pesquisados no Google, Jair Bolsonaro (PL) aparece na liderança. Contudo, quando o assunto é a despesa da campanha, o chefe do Executivo e candidato à reeleição é o que menos gasta recursos nessa lista. O primeiro colocado no quesito gastança é Luiz Inácio Lula da Silva (PT), 100% financiado pelo Fundo Eleitoral — ou seja: pelo pagador de impostos.

Oeste fez um levantamento nos dados da Justiça Eleitoral e verificou os gastos e as fontes de receitas das campanhas na disputa pela Presidência da República. Lula já contratou quase R$ 52 milhões para usar e reservou R$ 88 milhões do Fundo Eleitoral para a disputa de 2022.

-Publicidade-

Bolsonaro empenhou cerca de R$ 15 milhões. A campanha do presidente à reeleição tem duas fontes de receitas: R$ 10 milhões do Fundo Partidário e R$ 11 milhões de recursos privados, conseguidos com doações. Até o momento, nenhum centavo reservado pelo chefe do Executivo vem do Fundo Eleitoral, de acordo com os dados da Justiça disponibilizados até esta segunda-feira, 19.

Simone Tebet (MDB) é a menos pesquisada no Google entre os quatro, apesar de ser a segunda colocada em gastos: R$ 33 milhões, praticamente. A campanha da emedebista é quase integralmente bancada pelo pagador de impostos. Do montante reservado para o custeio por ela, R$ 23 milhões vêm do Fundo Eleitoral, R$ 13 milhões do Fundo Partidário e apenas R$ 200 mil de recursos privados, doados pelo senador Tasso Jereissati (PSDB).

Ciro Gomes (PDT) é o terceiro que mais gastou: R$ 24 milhões. Para pagar a conta, ele também conta com o pagador de impostos, uma vez que reservou R$ 32 milhões do Fundo Eleitoral e R$ 97 mil de fontes privadas.

Gastos com big techs

As big techs aparecem em posição de destaque entre os fornecedores nas eleições de 2022. Dessas empresas, o Facebook tem o maior faturamento com os candidatos até o momento: próximo de R$ 40 milhões. O segundo lugar é do Google: R$ 26 milhões, aproximadamente.

Lula também libera nos gastos com o Google: por volta de R$ 2 milhões. Simone Tebet gastou praticamente o mesmo valor com o Facebook, ficando no topo de despesas com a empresa de Mark Zuckerberg.

Simone lidera somando os custos declarados com as duas empresas (R$ 2,7 milhões). Lula é o segundo colocado, tendo apenas gastado com o Facebook. Ciro é o terceiro (R$ 1,4 milhão, juntando as companhias). Bolsonaro, novamente, teve o menor dispêndio: cerca de R$ 540 mil totalmente destinados ao Google.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. Bolsonaro 22 no primeiro turno. E tem uns estrumes que vão votar no nine. Os outros pouco importam pois são apenas espectadores chegados no dinheiro dos impostos

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.