Revista Oeste - Eleições 2022

Com campanha nas ruas, PF tem esquema especial de segurança

A instituição prevê empregar 300 agentes na proteção dos presidenciáveis a um custo de R$ 57 milhões
-Publicidade-
A PF definiu núcleos de segurança para atuar nas campanhas de cada candidato à Presidência
A PF definiu núcleos de segurança para atuar nas campanhas de cada candidato à Presidência | Foto: Divulgação

A campanha eleitoral nas ruas começa oficialmente nesta terça-feira, 16. A largada ocorre um dia depois do prazo final para registro das candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Entre os presidenciáveis, a Polícia Federal (PF) terá um esquema inédito de segurança. O plano especial para proteger os candidatos deve custar R$ 57 milhões. Mais de 300 policiais federais vão atuar diretamente na segurança dos candidatos ao planalto.

“Foi uma preparação muito cuidadosa que ocorre há alguns meses, com treinamento e capacitação continuados”, disse o delegado Thiago Marcantônio Ferreira, coordenador de Proteção à Pessoa da PF, em entrevista ao Jornal da Manhã, da rádio Jovem Pan.

-Publicidade-

A princípio, cada candidato terá uma equipe de até 30 policiais, mas esse número poderá aumentar dependendo da análise de risco.

“Cada um conta com uma equipe dedicada. Para a definição nós criamos uma metodologia que dá um nível de classificação de segurança para disponibilizar uma classe de equipe para os candidatos”, disse Ferreira.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) está fora deste esquema. A segurança dele é feita pelo Gabinete de Segurança Institucional e continuará assim durante a campanha. O número de policiais envolvidos é sigiloso.

“Nós adotamos uma série de medidas para identificar eventuais ameaças contra os presidenciáveis e podermos atuar para neutralizá-las”, declarou o delegado.

A preocupação da PF com os candidatos é, principalmente, com a campanha nas ruas, fora de um “ambiente controlado”.

“Em um contexto eleitoral, evidente que o candidato tem maior exposição e contato com o público”, observou Ferreira. “Para que a gente fizesse uma campanha com segurança, nós treinamos nosso pessoal para dar uma resposta e garantir a proteção.”

Desde 22 de julho, os agentes deslocados para a segurança dos candidatos já estão acompanhando os presidenciáveis. “Não cabe, enquanto instituição, determinar se o candidato vai ou não fazer campanha em determinado local”, observou o delegado.

“O que a gente faz é estabelecer um diálogo com o staff da campanha”. Ele ainda esclareceu que a depender da situação, os agentes podem desaconselhar a participação em determinado evento, “em razão de algum indício identificado”.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.