TSE entrega ao TCU 4.161 boletins de urna do 1º turno para auditoria

Iniciativa busca comparar informações emitidas pelas urnas ao fim do dia de votação com a totalização feita pelo TSE
-Publicidade-
A proposta é fazer uma comparação entre os BUs que são emitidos pelas urnas eletrônicas ao fim do dia de votação e contêm a apuração dos votos com a totalização feita pelo TSE
A proposta é fazer uma comparação entre os BUs que são emitidos pelas urnas eletrônicas ao fim do dia de votação e contêm a apuração dos votos com a totalização feita pelo TSE | Foto: Divulgação

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concluiu nesta segunda-feira, 24, a entrega ao Tribunal de Contas da União (TCU) dos 4.161 Boletins de Urna (BUs) do primeiro turno das Eleições Gerais de 2022, que serão auditados pelo órgão. Essa é uma das etapas da auditoria do TCU sobre o pleito. 

Segundo Carlos Ramon, coordenador de Auditoria de Governança e Gestão de Aquisições do TSE, essa auditoria tem como intuito desmentir algumas notícias falsas que circulam em períodos eleitorais. De acordo com ele, há um boato sobre a existência de algoritmos que, de dentro da Justiça Eleitoral, supostamente interferem e alteram os dados das urnas eletrônicas no momento da totalização dos votos. 

-Publicidade-

A proposta é fazer uma comparação entre os BUs que são emitidos pelas urnas eletrônicas ao fim do dia de votação e contêm a apuração dos votos com a totalização feita pelo TSE.

No TCU, os BUs físicos são transformados em dados lógicos, por meio de uma aplicação desenvolvida pelos auditores. Essa mesma aplicação faz o batimento desse dado lógico do BU físico com a totalização feita pelo TSE no primeiro turno. 

“São muitos dados que eles esperam coletar, bater e demonstrar que os resultados emitidos às 5 da tarde nas seções eleitorais são os mesmos dos totalizados às 8 e pouco nos painéis da Justiça Eleitoral e da imprensa de modo geral”, explica Carlos Ramon.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários Ver comentários

  1. TCU e nada é a mesma coisa, mas o problema é na totalização em Brasília, onde determinadas urnas de determinadas regiões podem deixar de serem totalizadas e classificadas como abstenção, por exemplo.

  2. Além do TCU, os partidos, qualquer partido pode fazer sua audição própria das urnas (isto é lei!). Não é tempo de se deixar de fazer o dever de casa, pois a bandidagem está agindo!

  3. Como assim 4.161 BUs??
    Pela primeira vez vou desacatar o “Jornalismo” da Oeste :
    – Senhores, há nas Eleições Brasileiras MAIS DE 500.000 (QUINHENTAS MIL URNAS)!! Quatro mil e pouco representa MENOS DE 1% DAS URNAS DISPONIBILIZADAS!!
    Vcs perderam a noção de proporção?? Sinceramente eu esperava um pouco mais de Inteligência pra Confrontar essa RIDÍCULA AMOSTRAGEM!
    Pior :- O ‘tse’ se “vangloria” de entregar o “resultado” em horas e da “possibilidade de auditar”. A AUDITORIA , por óbvio, passa NO MÍNIMO, pelo cotejamento dos Resultados Impressos nos BUs com a TOTALIZAÇÃO do tse!! Se Após 20 Dias, tudo que se tem de “amostragem” são 4.161 BUs….. Vamos colocar o Nariz de Palhaço…. Francamente Revista Oeste…

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.