Em fala de Ano Novo, Bolsonaro diz esperar volta à normalidade; assista

Ele aproveitou para reafirmar que não apoiou o passaporte vacinal e nem qualquer restrição àqueles que não desejam se vacinar
-Publicidade-
Presidente da República, Jair Bolsonaro | Foto: Reprodução/Palácio do Planalto
Presidente da República, Jair Bolsonaro | Foto: Reprodução/Palácio do Planalto

O presidente Jair Bolsonaro fez um pronunciamento de Ano Novo em cadeia nacional de rádio e televisão na noite desta sexta-feira, 31, e disse esperar que, em 2022, “tudo se volte à normalidade” (assista aqui).

Na fala, que foi gravada anteriormente, o presidente lembrou que no ano que vem se comemora o bicentenário da Independência do Brasil.

-Publicidade-

Bolsonaro disse que assumiu um Brasil “com sérios problemas morais, éticos e econômicos” e que formou um ministério com “pessoas capazes para enfrentar a todos os desafios”.

O presidente destacou a aprovação da lei de liberdade econômica e a conclusão de obras inacabadas em governos anteriores. Ele também disse que sua gestão fez “ressurgir o modal rodoviário”.

No discurso, comemorou a flexibilização do porte e da posse de arma de fogo. “Levamos tranquilidade ao campo”, declarou. Ele ainda afirmou que sua gestão completa três anos sem casos de corrupção.

Em relação à pandemia, disse que o governo federal “dispensou recursos bilionários para que Estados e municípios se preparassem”.

Ele criticou a política de fechamento adotada por governadores e prefeitos e argumentou que a “quebradeira econômica” só não se tornou realidade graças a medidas implementadas por sua equipe.

“Mostramos nossa identidade ao socorrer os mais humildes, que tinham sido abandonados pelos que mandavam fechar tudo”, afirmou.

Segundo ele, mais de 11 milhões de empregos foram preservados, e 2021 termina com 3 milhões de empregos e 5 milhões de empresas abertas.

Jair Bolsonaro também destacou que todas as 380 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 distribuídas no Brasil foram adquiridas pelo governo federal.

O presidente aproveitou o pronunciamento para reafirmar que não apoiou o passaporte vacinal e nem qualquer restrição àqueles que não desejam se vacinar.

Ele defendeu a vacinação de crianças somente com consentimento dos pais e prescrição médica. “A liberdade tem que ser respeitada”, disse.

Bolsonaro disse que a inflação que assola o Brasil é “consequência da equivocada política do ‘fica em casa, a economia a gente vê depois'”.

O presidente da República também prestou solidariedade aos atingidos pelas fortes chuvas que atingem sobretudo à Bahia e Minas Gerais.

Ele finalizou dizendo que o Brasil tem um governo que “respeita o seus militares, respeita seus militares, defende a família e deve lealdade ao seu povo”.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. Como pode um país, vivendo toda essa anomia, esperar que tudo volte à normalidade, assim, do nada? Vamos ser realistas me façam o favor. Não sei se isso é geral ou está acontecendo no meu smart fone: Notei que nos últimos dias, mais ou menos há uma semana atrás aquela área destinada a vídeos curtos está lotada de vídeos do Capiroto, descendo a lenha nos outros dois candidatos mais potenciais, não só ele mas como muitos elementos de sua quadrilha. Só não vi ainda o Zé Dirceu e o Genoíno se manifestar. Mas a coisa está ficando insuportável, estou tendo que pular esses vídeos, só que são muitos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.