Em sessão tumultuada da CPI, Hang nega ter financiado fake news

'Não conheço, não faço e nunca fiz parte de nenhum gabinete paralelo', afirmou o dono da Havan em depoimento
-Publicidade-
O empresário Luciano Hang foi atacado pelo presidente da CPI, Omar Aziz, durante depoimento à comissão
O empresário Luciano Hang foi atacado pelo presidente da CPI, Omar Aziz, durante depoimento à comissão | Foto: Flickr/Senado

Em uma das sessões mais conturbadas da CPI da Covid desde o início dos trabalhos da comissão, o empresário Luciano Hang, dono das lojas Havan, negou ter propagado, financiado ou participado de qualquer “esquema de fake news” durante a pandemia.

Hang foi acusado por parlamentares que fazem oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro de ter financiado e apoiado a disseminação de conteúdo com informações falsas sobre a covid-19, especialmente defendendo tratamentos supostamente ineficazes para combater a doença.

Leia mais: “Omar Aziz expulsa advogado de Hang e suspende sessão da CPI”

-Publicidade-

“Quero afirmar aqui nesta Casa, com a consciência tranquila e com a serenidade de quem tem a verdade a seu lado, que não conheço, não faço e nunca fiz parte de nenhum ‘gabinete paralelo’. Nunca financiei nenhum esquema de fake news e não sou negacionista”, afirmou Hang.

O dono da Havan também negou que seja contrário às vacinas contra a covid-19, embora tenha admitido que ainda não se imunizou. “Tanto que disponibilizei todos os nossos estacionamentos como pontos de vacinação. Além disso, juntamente com outros empresários, fizemos campanha para que a iniciativa privada pudesse comprar e doar, para acelerar o processo de imunização”, disse. “Como qualquer brasileiro, resguardado pela nossa Constituição e pela democracia, não abro mão da minha liberdade de expressão.”

Leia também: “Damares defende restrição de horário de transmissões da CPI da Covid: ‘Sessão de horrores’”

Contas fora do país

Em seu depoimento à CPI, Hang afirmou que tem contas no exterior, mas devidamente declaradas às autoridades fiscais. “Eu tenho tudo, eu estou tranquilo. Eu tenho todo o tempo do mundo para responder a todas as perguntas de maneira lógica para quem está nos vendo atrás das câmeras. Tenham a tranquilidade de receber a informação correta. Faz a pergunta e eu respondo”, afirmou Hang ao relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL). O senador, então, indagou: “O senhor tem conta no exterior?”. Hang respondeu: “Temos”.

Leia também: “CPI da Covid: líder do Governo elabora 10 perguntas para o jurista Ives Gandra”

Conversa com Bolsonaro

O dono da Havan também negou que tenha tido conversas com Bolsonaro sobre ações de enfrentamento da pandemia de covid-19. O empresário respondeu a um questionamento do vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que exibiu um vídeo no qual Hang aparecia ao lado do presidente da República no Palácio do Planalto. “Fui falar de economia, de desenvolvimento, de emprego e de união”, afirmou.

Leia mais: “Prevent Senior rechaça ‘acusações mentirosas’ de advogada na CPI”

Bate-boca e sessão suspensa

Como Oeste noticiou mais cedo, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), chegou a suspender a sessão por alguns minutos depois de um bate-boca generalizado entre os parlamentares. Aziz se irritou com os cartazes exibidos por Hang com os dizeres “não me deixam falar” e “liberdade de expressão”.

O ambiente ficou carregado desde os primeiros minutos do depoimento. Em sua fala inicial, Hang mostrou, com autorização de Aziz, um vídeo sobre a Havan — o que causou indignação em parlamentares oposicionistas, que alegaram tratar-se de propaganda indevida.

Leia também: “CPI ignora possível conflito de interesses entre Renan Calheiros e empresa investigada”

Outro que se envolveu em discussões acaloradas foi o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), que reapareceu na CPI depois de várias sessões ausente. Ele defendeu Hang e condenou o tratamento dado ao depoente pela cúpula do colegiado. Segundo Flávio, o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), chamou Hang de “bobo da corte”. Calheiros negou as ofensas.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Saiu maior do q qdo entrou. Esculhambou sem perder a linha e n deu chance aos zumbis dessa CPI. Entrou como investigado e saiu como um NINJA, pois até agora o grupo dos sete abestalhados n conseguiram entender como ele, mesmo sem habeas corpus, teve peito de responder a todas perguntas e mostrar os fatos e desacreditar as narrativas.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.