Entenda a suspeita de propina em negociação de vacinas pelo Ministério da Saúde

Em meio a notícias difusas, Oeste esclarece as principais dúvidas sobre o tema
-Publicidade-
Roberto Dias foi exonerado nesta quarta-feira, 30
Roberto Dias foi exonerado nesta quarta-feira, 30 | Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 apura um suposto pedido de propina realizado por Roberto Dias, diretor de Logística do Ministério da Saúde exonerado nesta terça-feira, numa negociação paralela para adquirir vacinas produzidas pela AstraZeneca. A empresa Davati Medical Supply diz ser a intermediária do negócio. A farmacêutica, contudo, nega a informação.

Em meio à avalanche de notícias difusas, Oeste esclarece as principais dúvidas a respeito do tema.

A vacina da discórdia

-Publicidade-

O imunizante objeto de discórdia é desenvolvido pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.

O que diz a AstraZeneca

A AstraZeneca garante não trabalhar com intermediários no Brasil. Segundo a farmacêutica anglo-sueca, todas as doses da vacina são disponibilizadas por meio de acordos assinados com governos e organizações multilaterais em todo o mundo — inclusive o Covax Facility, consórcio internacional criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com o objetivo de acelerar a produção de vacinas.

Davati Medical Supply, a intermediária

A Davati Medical Supply alega ter oferecido ao Ministério da Saúde 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca por US$ 3,50 a unidade (a vacina da AstraZeneca produzida na Fiocruz custa US$ 3,16 cada uma), num valor total US$ 1,4 bilhão — o equivalente a R$ 7 bilhões. Segundo o documento apresentado pela empresa, os imunizantes seriam fabricados em diversos países e enviados da AstraZeneca para o comprador.

A negociação

A proposta da Davati Medical Supply, formalizada em 26 de fevereiro de 2021, foi encaminhada ao Ministério da Saúde e ao diretor de Logística, Roberto Dias Ferreira. Um representante da empresa, Luiz Paulo Dominguetti Pereira, é citado como o intermediário da negociação.

De acordo com Dominguetti Pereira, o diretor de Logística afirmou que, para conseguir firmar o contrato, seria preciso pagar propina de US$ 1 por dose.

As consequências

O governo federal demitiu Roberto Dias Ferreira. A decisão, anunciada na noite de terça-feira 29, foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira, 30.

Desdobramentos políticos

Partidos políticos, parlamentares e movimentos sociais protocolaram nesta quarta-feira, na Câmara dos Deputados, mais um pedido de impeachment do presidente da República, Jair Bolsonaro. O documento tem 46 signatários e reúne argumentos apresentados nos outros 123 pedidos de impeachment já apresentados à Câmara.

Covaxin

Em outra denúncia, divulgada na semana passada, o governo foi acusado de negociar a vacina indiana Covaxin a US$ 15 dólares, preço superior ao de outros imunizantes comercializados no mercado internacional. A Procuradoria da República no Distrito Federal (PR/DF) informou ter aberto investigação criminal para apurar o caso. A decisão foi tomada pelo 11º Ofício de Combate ao Crime e à Improbidade Administrativa da Procuradoria.

Ainda nesta quarta-feira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu o prazo para concluir a análise do pedido de uso emergencial da vacina indiana, alegando falta de documentos obrigatórios e essenciais para a avaliação da eficácia e da segurança do imunizante.

Leia também: “Diretor do Ministério da Saúde acusado de corrupção é exonerado”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

11 comentários

  1. “Acabei com a lava jato, não tem mais corrupção no meu governo, rrrrr” um presidente genocida e prevaricou, não vou dizer o nome, falou isso.

  2. Saudades de um escândalo raiz. Era dólar na cueca, milhões na Suíça, nas Caimãs, no apartamento, nas negociatas. De tratores a vacinas, hoje são compras superfaturadas que sequer foram pagas. Agora arrumam um entreposto do Mandetta que não vale US$ 1,00 furado pra tentar ligar a Bolsonaro. Esses escândalos nutela dão sono.

  3. Pra começar a brincadeira é so desvendar como uma empresa se diz representante de alguem que diz não ser representada…aí é cana pra quem estiver mentindo…facil ne?!?!?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site