Ernesto Araújo rebate Maia: ‘Só teme a parceria Brasil-EUA quem teme a democracia’

Chanceler afirma governo Bolsonaro busca romper "uma espiral de inércia irresponsável e silêncio cúmplice" com o regime Maduro
-Publicidade-
Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Chanceler afirma que o governo Bolsonaro busca romper “uma espiral de inércia irresponsável e silêncio cúmplice” com o regime Maduro

Ernesto Araújo
Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
-Publicidade-

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, reagiu neste sábado, 19, às críticas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia à visita do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

Nas três horas em que esteve em Boa Vista, em Roraima, ao lado do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o chefe da diplomacia norte-americana endureceu o discurso contra o ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, que foi chamado de “narcotraficante”.

Para o chanceler brasileiro, quem se preocupa com a parceria do governo brasileiro com a Casa Branca nessa questão é “quem teme a democracia”.

LEIA MAIS: O ITAMARATY E OS RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA

De acordo com Maia, a visita do secretário de Estado ao Brasil, a apenas 46 dias da eleição presidencial americana, não condiz com a “autonomia” da política externa brasileira.

O presidente da Câmara também considerou a passagem de Pompeo uma afronta à tradição da política externa e da defesa brasileiras.

Na avaliação de Araújo, o povo brasileiro “tem apego profundo pela democracia e o regime Maduro trabalha permanentemente para solapar a democracia em toda a América do Sul”.

Ernesto Araújo afirma que o governo Bolsonaro busca romper “uma espiral de inércia irresponsável e silêncio cúmplice” com o regime chavista.

“A triste história da diplomacia brasileira para a Venezuela entre 1999 e 2018 constitui exemplo de cegueira e subserviência ideológica, altamente prejudicial aos interesses materiais e morais do povo brasileiro e a toda a América Latina”, escreveu Araújo, em nota divulgada pelo Itamaraty.

Araújo destacou que os Estados Unidos já doaram US$ 50 milhões para a Operação Acolhida (que busca atender venezuelanos que cruzam a fronteira para chegar ao Brasil) e que, na visita, Pompeo anunciou a doação de mais de US$ 30 milhões para essa Operação.

Direitos humanos

Ao rebater as críticas de Rodrigo Maia, Araújo destacou que, na condição de ministro das Relações Exteriores, se sente na obrigação de reiterar o Artigo 4º da Constituição Federal, que coloca a “prevalência dos direitos humanos” entre os princípios que devem orientar as relações internacionais do Brasil.

“Absolutamente nada no posicionamento do Brasil contra a ditadura de Maduro e em favor de uma Venezuela livre fere qualquer dos princípios do Artigo 4º da Constituição. Muito pelo contrário, nossa atuação descumpriria a Constituição se fechássemos os olhos à tragédia venezuelana”, escreveu o chanceler.

Com informações do Estadão Conteúdo

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site