EXCLUSIVO: Ao STF, Estados alegam perdas de R$ 34 bi por covid-19

Entretanto, plano de socorro proposto por Rodrigo Maia prevê injeção de R$ 80 bilhões. O dobro do solicitado pelos Estados à Suprema Corte
-Publicidade-
STF gastará R$ 10 milhões com segurança | Foto: Dorivan Marino - STF
STF gastará R$ 10 milhões com segurança | Foto: Dorivan Marino - STF

Entretanto, plano de socorro proposto por Rodrigo Maia, no Plano Mansueto, prevê injeção de R$ 85 bilhões, o dobro do solicitado pelos Estados ao Supremo

Governador de São Paulo alega que perdeu R$ 10 bilhões com a covid-19 | Foto: Divulgação
-Publicidade-

Em manifestações ao Supremo Tribunal Federal (STF), 18 Estados alegaram que o coronavírus vai gerar redução de arrecadação da ordem de R$ 34 bilhões ao longo do ano de 2020. Apesar disso, a Câmara articula um plano de socorro com potencial para injetar R$ 85 bilhões diretamente nos Estados. Ou seja, o dobro do valor que de fato eles necessitariam neste primeiro momento para conter a crise do coronavírus.

MAIS: Governo acena com proposta de R$ 40 bilhões para mudar o Plano Mansueto

As manifestações estão em notas técnicas e nas petições iniciais de 20 Ações Cíveis Originárias (ACOs) ingressadas pelos Estados requerendo que o Supremo determine a suspensão dos pagamentos de dívidas à União. Dezessete Estados já obtiveram liminares no Supremo. Apenas a Bahia ainda não se beneficiou. As decisões foram proferidas pelo ministro Alexandre de Moraes.

Essas perdas da ordem de R$ 34 bilhões levam em consideração a diminuição do volume de arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), entre outros tributos. São Paulo é o Estado que prevê as maiores perdas: R$ 10 bilhões. Santa Catarina, governada por um ex-aliado do presidente, Carlos Moisés (PSL), alega que sofrerá uma redução de arrecadação de R$ 4 bilhões; o Maranhão, governado por Flávio Dino (PCdoB), afirmou ao Supremo que perderá R$ 2,3 bilhões ao longo de 2020. O Rio Grande do Norte estimou ao STF queda de arrecadação de R$ 315 milhões.

REVISTA OESTE: Escreva cem vezes – imprimir dinheiro não

A alegação dos Estados ao Supremo enfraquece o discurso dos governadores e do próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre a ajuda financeira que deve ser dada aos entes federados durante a crise. A proposta do chamado “Plano Mansueto light” prevê impacto financeiro da ordem de R$ 222 bilhões à União para ajudar Estados e municípios.

O texto em tramitação na Câmara prevê, em seu artigo 7º, a compensação integral por perdas de ICMS. O impacto dessa medida para a União deve ser de R$ 35 bilhões. Além disso, o texto abre margem para que os Estados contraiam novos empréstimos tendo a União como garantidora do financiamento. Trocando em miúdos: a União recompensará as perdas e ainda será fiadora de novos empréstimos aos Estados.

A equipe econômica do governo tenta atenuar o impacto dessa proposta em tramitação na Câmara, já que há o receio de um colapso econômico ainda maior para os Estados após a crise do coronavírus.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site