Girão: dona de empresa diz que dois ex-ministros de Dilma eram ‘irmãos de alma’

Senador espera que a CPI da Covid aprove a convocação de envolvido no caso dos respiradores comprados pelo consórcio
-Publicidade-
Senador Eduardo Girão (Podemos-CE) | 
 Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Senador Eduardo Girão (Podemos-CE) | Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

A CPI da Covid retoma os trabalhos na próxima semana e até agora não se debruçou em nenhuma denúncia de corrupção em Estados e municípios durante a pandemia. O caso mais notório é o do Consórcio Nordeste, que comprou, por R$ 48 milhões, 300 respiradores que nunca foram entregues.

A empresa envolvida na negociação é a Hempcare, que comercializa cosméticos à base de maconha. “Depoimentos da dona dessa empresa, Cristiana Prestes, ao que tudo indica de fachada, apontam o envolvimento no esquema de dois ex-ministros do governo Dilma, segundo ela ‘irmãos de alma'”, afirma a Oeste o senador Eduardo Girão.

Leia mais: “Tarcísio anuncia retomada de obras do Arco Metropolitano do Rio de Janeiro”

-Publicidade-

Os dois ex-ministros petistas supostamente envolvidos, segundo o parlamentar, são Carlos Gabas e Edinho Silva. Gabas, que teve o pedido de convocação negado pela CPI, é ex-secretário-executivo do Consórcio Nordeste e foi ministro da Previdência Social. Edinho Silva é o atual prefeito de Araraquara e foi ministro da Secretaria de Comunicação Social.

Recursos federais

O grupo majoritário da CPI argumenta que o caso foge da competência do colegiado, pois não envolve repasses da União. Girão rebate: “Analisamos centenas de documentos enviados à CPI. Não restam dúvidas de que em alguns dos nove Estados do Nordeste foram utilizados recursos federais nesse escândalo corretamente chamado de ‘calote da maconha’.”

“Dos 17 membros da CPI, dez senadores são representantes do Nordeste e 82% são do Norte e Nordeste. Coincidência? Não”, diz o senador. “Penso que, em vez de procurar a verdade dos fatos, eles estejam fazendo a blindagem deliberada dos governadores e prefeitos visitados pela Polícia Federal. Isso porque, certamente, após esses depoimentos, sigilos devem ser quebrados, escancarando toda a verdade.”

Senadores pais de governadores

Segundo o senador, no dia em que a CPI negou, por 6 votos a 4, a convocação de Carlos Gabas, o senador Jader Barbalho (MDB-PA), pai do governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), pouco atuante na comissão, foi chamado às pressas para votar remotamente.

Girão afirma ainda que o relator da CPI, Renan Calheiros, havia dito em uma rede social que se declararia impedido caso houvesse votação envolvendo seu Estado. “Fiz uma questão de ordem para que o relator não votasse. Renan fez ‘cara de paisagem’ e, mesmo o Consórcio Nordeste envolvendo diretamente o Estado de Alagoas, ele vergonhosamente votou contra a convocação de Gabas, aquele ministro que levava a presidente Dilma para andar de moto”, diz Girão.

Volta da CPI

O senador tem a expectativa de conseguir aprovar a convocação de alguns nomes envolvidos no caso dos respiradores, como Bruno Dauster, que foi exonerado da Casa Civil do governo da Bahia, e Cristiana Prestes, proprietária da Hempcare.

“Esses requerimentos foram retirados de pauta por seis vezes consecutivas. Mas vou continuar insistindo, junto com o valente cidadão de bem brasileiro, que se mobiliza a cada dia querendo saber toda a verdade, e não uma parte da verdade”, finaliza.

Telegram
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro