Governo prioriza vidas a despeito da aproximação do Centrão

Centrão pressiona para deixar o "carimbo" em recursos destinados pelo Executivo a estados e municípios
-Publicidade-
STF quer explicações sobre protocolo da cloroquina de Pazuello | Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados
STF quer explicações sobre protocolo da cloroquina de Pazuello | Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados | eduardo pazuello, cloroquina, stf, celso de mello

Centrão pressiona para deixar o “carimbo” em recursos destinados pelo Executivo a estados e municípios, mas interlocutores avisam que governo prioriza vidas

eduardo pazuello, cloroquina, stf, celso de mello - governo prioriza vidas
STF quer explicações sobre protocolo da cloroquina de Pazuello | Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

A destinação de R$ 13,8 bilhões a estados e municípios causou ciúmes no Congresso. O governo autorizou o repasse para combater o coronavírus, mas parlamentares do Centrão se queixam de não ter sido chamados para dialogar o “carimbo” no dinheiro. Ou seja, gostariam de dialogar a irrigação de verbas em suas bases eleitorais.

-Publicidade-

A cobrança de líderes é que a destinação dos recursos não prioriza articulações construídas. Parlamentares do Centrão questionam os repasses feitos. Alguns, chegam a falar de desprestígio. O governo garante, contudo, que a injeção de receitas segue critérios técnicos, não políticos. “Não dá para fazer política nessa hora”, argumenta um interlocutor. “A meta é salvar vidas, por isso, todos os municípios estão sendo atendidos”, diz outro.

Dos R$ 13,8 bilhões, R$ 11,3 bilhões estão destinados aos municípios. Uma boa parcela foi destinada para irrigar cidades do interior, que já enfrentam o coronavírus. Diferentemente de capitais, que ainda dispõem de algum volume de recursos — apesar das reconhecidas dificuldades —, muitas dessas cidades encontram-se em situação fiscal amplamente deficitária.

Critérios

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, tem explicado a parlamentares os motivos da liberação de verbas e ressaltado que o governo prioriza vidas. A pasta considerou critérios como o tamanho da população e a média de recursos transferidos para atenção hospitalar e atenção básica no ano passado.

O governo atua, agora, para colocar panos quentes entre os mais incomodados. E assegura que planeja novas ações, que serão apresentadas em breve. Para as próximas medidas, as lideranças do Centrão estarão, portanto, mais próximas das tomadas a serem anunciadas.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.