Inquérito das ‘fake news’ é fruto de ‘interpretação mirabolante do STF’, afirma juíza

Investigação criada pelo Supremo é criticada por mais uma autoridade
-Publicidade-
Alexandre de Moraes  é o relator do inquérito das fake news. De acordo com juíza, Supremo erra ao validar investigação | Foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Alexandre de Moraes é o relator do inquérito das fake news. De acordo com juíza, Supremo erra ao validar investigação | Foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL | alexandre de moraes - stf - inquérito das fake news - interpretação mirabolante

Investigação criada pelo Supremo é criticada por mais uma autoridade

alexandre de moraes - stf - inquérito das fake news - interpretação mirabolante
Alexandre de Moraes é o relator do inquérito das fake news. De acordo com juíza, Supremo erra ao validar investigação | Foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
-Publicidade-

O inquérito das fake news recebeu crítica de mais uma autoridade na noite desta terça-feira, 8. A juíza Ludmila Lins Grilo, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), tornou público o seu entendimento sobre o caso protagonizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia mais: “STF livra Romero Jucá e Valdir Raupp da Lava Jato”

De acordo com a magistrada, a maioria da Corte foi responsável por “interpretação mirabolante” para validar o criticado inquérito. Nesse sentido, a magistrada atentou para o fato de os ministros entenderem que as dependências do STF vão para além do prédio que funciona como sede física do tribunal, em Brasília.

“Deram uma interpretação mirabolante para estender as dependências físicas do STF”

“O que é uma dependência do Supremo Tribunal Federal? É o seu prédio, suas instalações físicas”, afirmou a juíza. “Deram uma interpretação mirabolante para estender as dependências físicas do STF a todo o território nacional”, ironizou a integrante do TJ-MG.

Vítima e juiz

“Não se pode ser vítima e juiz ao mesmo tempo”, pontuou Ludmila Lins Grilo em entrevista ao programa Os Pingos nos Is (Jovem Pan), que na edição de hoje contou com a participação de Ana Paula Henkel e Guilherme Fiuza, colunistas da Revista Oeste. “Qualquer estudante do primeiro período de direito penal sabe disso”, prosseguiu a juíza em relação ao fato de o STF funcionar como vítima e julgador no inquérito das fake news.

Mais: “Cármen Lúcia e a Amazônia”

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

8 comments

  1. Nunca vi um STF produzir tanta cousa negativa, dssprotegendo a constituição e agindo contra a lei pois jamais poderia ser vítima e julgador. Junte a isso a proteção que dá aos réus e investigados politicos. Basta ver os benefícios a Lula, Dirceu, Juca, raup e tantos outros. Sempre enfraquecendo a lava jato. Péssimo STF.

  2. Algo monstruoso, teratológico, como se costuma afirmar nos meios jurídicos. E não estou falando apenas do malfadado inquérito. O próprio STF é assim, recheado de figuras desavergonhadas. Um monstrengo desajeitado e completamente sem noção.
    Pobre Brasil!

  3. STF dos onze “sinistros”, que devem ser demitidos daquela Casa. E a sociedade deve ter memória, para não esquecer tudo de deletério que eles já fizeram.

  4. Em meus 74 anos de vida, nunca vi uma suprema corte tão destrambelhada, como essa. São onze ilhas de total ineficiência, em que cada um interpreta a Constituição a seu bel prazer. A lei, ali, inexiste. A lei, ali, são eles. Pobre Brasil!

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site