Jardinagem pode ser considerada atividade racista?

O avanço da guerra cultural em todas as áreas da vida
-Publicidade-
Ilustração
Ilustração | Foto: PublicDomainPictures

Por incrível que pareça, nem mesmo a simples atividade de jardinagem escapa da patrulha ideológica e identitária que anda por aí a apontar o dedo para quem pensa diferente a respeito de ideias que surgem do nada. Depois que o apresentador e etnobotânico do programa da BBC Countryfile, James Wong, disse que “a cultura de jardinagem do Reino Unido tem racismo embutido em seu DNA”, o debate sobre a escolha de plantas e flores baseada, segundo Wong, “em ideias frequentemente inconscientes do que e quem pertencem ao Reino Unido”, foi parar no Twitter. O avanço da guerra cultural em todas as áreas da vida é o tema do artigo de Tom Slater, publicado na Edição 47 da Revista Oeste:

“A questão não é que a arte e a cultura estão sendo politizadas, mas usadas para transmitir o que as elites identitárias consideram ser a mensagem correta, da maneira correta, sangrentamente o tempo todo, praticamente sem espaço para dissidência.”

-Publicidade-

Leia o artigo na íntegra: “A politização de absolutamente tudo”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site