Jornalista considera ‘devastador’ voto negro e ‘gay’ em Trump

Indignação parte de colunista do jornal The New York Times
-Publicidade-
Charles M. Blow: devastado pela popularidade de Trump junto a negros e gays | Foto: Reprodução/Instagram
Charles M. Blow: devastado pela popularidade de Trump junto a negros e gays | Foto: Reprodução/Instagram | the new york time - charles m blow - voto negro e gay em Trump

Indignação parte de colunista do jornal ‘The New York Times’

the new york times - charles m blow - voto negro e gay em Trump
Charles M. Blow: devastado pela popularidade de Trump junto a negros e gays
Foto: Reprodução/Instagram

De acordo com um colunista do jornal The New York Times, publicação que em outubro tornou público o apoio ao democrata Joe Biden, negros e gays não poderiam votar em Donald Trump para presidente. Com a popularidade do republicano crescendo nessa parcela do eleitorado, o jornalista Charles M. Blow registrou nesta semana sua lamentação.

-Publicidade-

Leia mais: “Funcionário dos ‘Correios dos EUA’ é preso por irregularidades”

“É pessoalmente devastador para mim: o voto masculino negro em Trump aumentou de 13% em 2016 para 18%”, afirmou Blow na quarta-feira 4 em seu perfil no Twitter. “O voto feminino negro em Trump dobrou de 4% em 2016 para 8%”, prosseguiu o colunista a partir de números divulgados pelo próprio jornal em meio à apuração da eleição, que teve início na noite da terça-feira 3.

Além de ficar “devastado” com a decisão tomada por parte do eleitorado negro norte-americano, o colaborador do jornal The New York Times mostrou-se assustado com o desempenho do atual presidente dos Estados Unidos diante de gays, lésbicas, bissexuais e transexuais.

“A porcentagem de votos LGBT em Trump dobrou em relação a 2016”, comentou Blow, também por meio da rede social. “É por isso que as pessoas negras [que se identificam como] LGBT não confiam realmente nos gays brancos. Sim, eu disse o que disse”, prosseguiu o colunista.

Colunista de Oeste comenta

Colunista da Revista Oeste, Ana Paula Henkel não deixou a visão de Charles M. Blow ser ignorada pela imprensa brasileira. Ao participar da edição de ontem do programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, ela analisou a postura adotada pelo jornalista do New York Times. “Absurdo”, definiu a colunista.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Eles não podem ter vontade própria?
    Tem que seguir a cartilha da turma chata, que só quer controla-los?
    E que só lembram deles nas eleições?
    Devastador para mim, e saber que teve muitas mulheres que votaram em Biden, a sua vice e uma mulher, a presidente do Partido Democrata e mulher, mesmo sabendo das acusações de assedio sexual, que pesam contra ele, e todos se calam.

  2. Em 1967 quando o mercenário polonês Rafal Ganowicz foi questionado como ele se sentia em matar um ser humano, ele respondeu : ”Eu não sei, eu apenas matei comunistas.”

    O nome dele é Blow?
    Blow = Estourar.
    O nome desse cara deveria ser Blow face! Estourar a cara!
    Pode ser associado a blowjob = bokete!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.