Josias Teófilo: ‘Não precisa ser de direita para tentar entender por que Bolsonaro foi eleito’

Diretor de Nem Tudo Se Desfaz, que tem pré-estreia no dia 20, afirma que cinema brasileiro 'fecha a porta para quem pensa diferente'
-Publicidade-
Josias Teófilo é o diretor de <i>Nem Tudo Se Desfaz</i>, que tem pré-estreia em São Paulo no dia 20
Josias Teófilo é o diretor de Nem Tudo Se Desfaz, que tem pré-estreia em São Paulo no dia 20 | Foto: Reprodução

No mês em que centenas de milhares de brasileiros foram às ruas em manifestações favoráveis e contrárias ao presidente Jair Bolsonaro, o cineasta Josias Teófilo joga luz sobre a participação da sociedade civil em movimentos de massa — fenômeno que parece ter se transformado em um caminho sem volta na política brasileira. Na segunda-feira 20, a partir das 20h30, o Cine Petra Belas Artes, em São Paulo, será palco da pré-estreia de Nem Tudo Se Desfaz, novo documentário do diretor pernambucano de 34 anos.

O filme faz uma conexão entre alguns dos episódios mais importantes do país nos últimos anos, traçando um paralelo entre as Jornadas de Junho de 2013, o impeachment de Dilma Rousseff, a prisão de Luiz Inácio Lula da Silva e a vitória de Jair Bolsonaro nas urnas (assista aqui ao trailer).

“É um filme histórico. Ele mostra como a atuação das massas no campo político começou a ser protagonista da história brasileira a partir de 2013. Isso não parou. Isso veio para ficar, sejam as massas digitais, sejam as massas físicas, que agora se intercambiam”, diz Teófilo nesta entrevista a Oeste.

-Publicidade-

Leia também: “‘Na cultura, conservadorismo não tem espaço’”, entrevista de Josias Teófilo publicada na Edição 55 da Revista Oeste

Diretor de O Jardim das Aflições (2017), premiado documentário sobre Olavo de Carvalho, Teófilo não tem dúvidas: o novo filme, assim como o anterior, despertará incômodo na esquerda e, provavelmente, sofrerá algum tipo de boicote. “Nas universidades, a gente já sabe o que vai acontecer. Eles vão tentar impedir as exibições, inclusive usando de violência”, afirma. “O cinema brasileiro está resistindo a entender as causas da eleição de Bolsonaro. Não precisa ser de direita para tentar entender por que Bolsonaro foi eleito.”

Leia também: “O recado das ruas exige liberdade”, reportagem de Silvio Navarro e Cristyan Costa publicada na Edição 77 da Revista Oeste

Depois da pré-estreia na capital paulista, o filme será exibido no Estação Net Botafogo, no Rio de Janeiro, nos dias 22 e 23 de setembro. Também há datas confirmadas em Porto Alegre (27/9), Belém (28/9), Recife (30/9), Blumenau (4/10) e Belo Horizonte (6/10).

Leia os principais trechos da entrevista

1 — Alguns críticos tentam estigmatizá-lo como cineasta “bolsonarista” e se referem a Nem Tudo Se Desfaz como um documentário sobre a vitória de Jair Bolsonaro em 2018, embora você tenha dito que o filme retrata, na verdade, os impactos das manifestações de 2013 sobre a política brasileira nos últimos anos — entre os quais a eleição do atual presidente. Afinal, qual é o tema central do filme e de que forma você responde a essas críticas?

O grande tema do filme é o movimento das massas. Uma das principais referências da pesquisa que eu fiz antes de fazer o filme é o livro Massa e Poder, do Elias Canetti [Editora Companhia de Bolso, 2019]. O filme acompanha como as massas se movimentam. Isso é muito mais importante do que qualquer questão partidária. Não diria que é um filme político. É um filme histórico. Ele mostra como a atuação das massas no campo político começou a ser protagonista da história brasileira a partir de 2013. Isso não parou. Isso veio para ficar, sejam as massas digitais, sejam as massas físicas, que agora se intercambiam. As manifestações são convocadas pelas redes sociais. Elas vão para o ‘ao vivo’, as pessoas se encontram, e depois elas repercutem digitalmente. Outras questões abordadas são os memes, o humor, os vídeos, a nova direita e por aí vai.

2 — A sociedade brasileira parece ter se acostumado a ir às ruas para manifestações políticas, como se viu nos atos de apoio ao governo realizados no 7 de Setembro em todo o país. O senhor acha que se trata de um legado das Jornadas de Junho de 2013?

Claramente, inclusive porque elas têm a mesma dinâmica. Mas há um detalhe: quem estava junto em 2013 agora está separado, em polos opostos. A esquerda é muito boa em reproduzir artisticamente as manifestações. Eles têm fotógrafos profissionais, bandeiras, balões imensos dos movimentos sociais etc. A direita não tem essa habilidade, mas possui a capacidade de ‘viralização’, que é maior do que a da esquerda. Eles sabem tornar as manifestações mais ‘família’ porque, de fato, são mais voltadas à família, não tem depredação… Mas é a mesma massa, foram os mesmos setores da sociedade que se manifestaram em 2013 e estão agora em polos opostos.

3 — Em entrevista a Oeste em abril, o senhor disse que Bolsonaro foi “herdeiro do movimento revolucionário de 2013”. O presidente ainda conta com a forte mobilização popular que impulsionou sua candidatura em 2018?

Bolsonaro soube trazer para si o coeficiente eleitoral da impopularidade das medidas de restrição. As pessoas que ficaram com raiva porque não podiam trabalhar, sair de casa e ter uma vida normal depois de tantas restrições dos governadores e dos prefeitos… Ele herdou isso. Ele tem muita gente ao seu lado. Agora vamos ver como vai se comportar daqui até 2022. Ele, de fato, está conseguindo ceder na questão da ideologia para a governabilidade, para as circunstâncias. Isso é uma demonstração de inteligência. O outro lado também está forte. Já na época da eleição de Bolsonaro, notei que aquilo daria uma nova vida à esquerda. Só que eles não souberam se livrar do seu passado. Eles ainda apostam em Lula, no estatismo… A esquerda ainda não superou essa fase do socialismo para uma postura mais liberal. Não tem jeito de Lula ser entendido como alguém de centro, como a grande imprensa está tentando vender. Ele é um extremista que apoiou e apoia as ditaduras genocidas do continente. Não tem nada de centrista nisso. Lula é um extremista que deveria estar preso até hoje.

4 — Na mesma entrevista a Oeste, o senhor relatou que havia má vontade com o documentário, que não foi aceito na seleção do festival “É Tudo Verdade”, por exemplo. Qual é sua expectativa em relação ao lançamento? Acredita que o filme pode sofrer alguma tentativa de boicote, como aconteceu com O Jardim das Aflições?

Acredito que não nos cinemas. Agora, nas universidades a gente já sabe o que vai acontecer. Eles vão tentar impedir as exibições, inclusive usando de violência. Não sou eu que vou promover as exibições nas universidades. Eu apenas autorizo que as pessoas exibam o filme. Organizamos a distribuição comercial e, quando o filme sair dos cinemas, vou autorizar para que seja exibido em universidades. Vai ter resistência? Vai. E a resistência é simplesmente a entender a verdade. O cinema brasileiro está resistindo a entender as causas da eleição de Bolsonaro. Não precisa ser de direita para tentar entender por que Bolsonaro foi eleito. Infelizmente, todos os filmes brasileiros sobre a política recente são uma tentativa de tapar o sol com a peneira. É uma tentativa de dizer que Bolsonaro foi eleito por causa de uma conspiração parlamentar para derrubar a Dilma, por causa das fake news ou, então, dizer que a população quis a volta dos militares.

“O problema é a falta de outra visão no cinema brasileiro. Todos os filmes brasileiros exibidos em festivais têm uma perspectiva muito parecida, e isso é muito triste. Fica todo mundo rodando em cima dos mesmos temas e se autoafirmando.”

5 — Recentemente, foram lançados documentários relacionados a fatos marcantes da política brasileira, como o impeachment de Dilma Rousseff (Alvorada, O Processo e Democracia em Vertigem, que foi indicado ao Oscar). Independentemente da temática ou da qualidade dos filmes, é positivo que tenhamos mais documentários sobre política? 

Quanto mais filmes, mais registros, mais pontos de vista. O problema é a falta de outra visão no cinema brasileiro. Todos os filmes brasileiros exibidos em festivais têm uma perspectiva muito parecida, e isso é muito triste. Fica todo mundo rodando em cima dos mesmos temas e se autoafirmando. Falam da Tropicália, falam de música popular… Existem novas visões do mundo surgindo e tomando lugar na sociedade, mas não são contempladas pelo cinema brasileiro. Não só pelo cinema, mas por grande parte da imprensa brasileira e pelo establishment de forma geral. É como se a esquerda tivesse todos os caciques e a direita tivesse todos os índios. Nos festivais brasileiros, eles não deixam passar nenhuma visão. É como se uma parcela da sociedade não tivesse direito de se expressar. Em uma democracia mais saudável, como a norte-americana, você tem gente como Clint Eastwood, Mel Gibson e James Woods produzindo filmes. É claro que eles têm dificuldades porque também sofrem preconceito, e isso está começando a se agravar lá também, mas ao mesmo tempo têm muito mais espaço do que o que vemos no cinema brasileiro, que simplesmente fecha a porta para quem pensa diferente. Não é defender a direita. É uma questão de liberdade de expressão.

Documentário de Josias Teófilo tem pré-estreia em São Paulo no sábado dia 20 de setembro | Foto: Divulgação
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. “Não precisa ser de direita para tentar entender por que Bolsonaro foi eleito” é verdade, mas quando ele tenta responder a pergunta 3 você percebe que ele é de direita.
    “Ele, de fato, está conseguindo ceder na questão da ideologia para a governabilidade, para as circunstâncias. Isso é uma demonstração de inteligência” ahhhhh conta outra!!!!!
    Realmente não foi necessário nenhuma mágica pra compreender que o povo estava cansando do PT quando apareceu o Bolsonaro. Bolsonaro não era o melhor, mas conseguiu representar o cansaço do povo. O que ele fez durante a gestão toda dele é que me cansou… Twitter, Facebook na mão desse cara é uma falácia… o vergonha aleia… muitos comentários desnecessários tanto nessas redes quanto na TV… Não sei o que será ano que vem, mas estamos vivendo um momento de grandes polarizações… Vontade mesmo era de não ter nem Lula e nem Bolsonaro como candidatos ano que vem, ahhh pode tirar o Ciro também, esse é cobra pra carai… Até o Meireles tá soando melhor que esses aí.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.