-Publicidade-

Lira cobra ‘solução imediata’ para auxílio emergencial

Segundo ele, o governo ainda não sinalizou de onde sairão os recursos
Presidente da Câmara, Arthur Lira
Presidente da Câmara, Arthur Lira | Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta quinta-feira, 11, esperar que o governo encontre rapidamente uma alternativa para o auxílio emergencial. Ele ressaltou que tudo deve ser feito dentro do teto de gastos.

O pagamento do benefício se encerrou em dezembro, mas há uma forte pressão para que ele seja retomado em razão da crise econômica causada pela pandemia.

Leia mais: “Não é dinheiro tirado do cofre, é endividamento, diz Bolsonaro sobre auxílio”

“Urge que o ministro Guedes nos dê, com a sensibilidade do governo, uma alternativa viável dentro dos parâmetros da economia como ele pensa e como a sociedade deseja. A situação está ficando crítica na população e a gente tem que encontrar uma alternativa”, disse Lira.

Segundo ele, o governo ainda não sinalizou de onde sairão os recursos para a continuação do pagamento do benefício ou para uma eventual criação de um novo programa.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 comentários

  1. Lira cobra ‘solução imediata’ para auxílio emergencial – Com todo respeito ao Sr. Lira e ao site Revista Oeste. Essa manchete está totalmente equivocada e fora de sintonia!!

  2. O deputado certamente tem uma calculadora no seu celular. Se ele multiplicar o n° de agraciados, vezes o valor a ser dado, vai ter um número. Aí vai no orçamento que está no congresso e vê onde vai buscar aquela grana. Se for muito difícil ou trabalhoso, peça para um assessor ou pague minha passagem a Brasília que faço de graça. Agora, não dá para jogar nas costas do executivo como sugere o título.

  3. Cobrar e determinar que outros façam é fácil. Sugiro aos nobres deputados que cortem suas beneces assim como Senado/STF é judiciário, pois o povo não suporta bancar mais um benefício.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês