-Publicidade-

Lira diz que está ‘apertando hoje um sinal amarelo para quem quiser enxergar’

Presidente da Câmara afirmou preferir que 'as atuais anomalias se curem por si mesmas'
Presidente da Câmara, Arthur Lira | Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Presidente da Câmara, Arthur Lira | Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Em sessão da Câmara dos Deputados, o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), disse que não vai ficar alienado “votando matérias teóricas como se o mundo real fosse apenas algo que existisse no noticiário”. Ele afirmou estar “apertando hoje um sinal amarelo para quem quiser enxergar”.

Lira garantiu que a Câmara não vai seguir votando matérias “com o compromisso de não errar com o país se, fora daqui, erros primários, erros desnecessários, erros inúteis, erros que são muito menores do que os acertos cometidos continuarem a ser praticados”.

Leia mais: “Comissões da Câmara convidam Queiroga e mais quatro ministros para esclarecimentos”

“Também não é justo descarregar toda a culpa de tudo no governo federal ou no presidente. […] Mas será preciso que essa capacidade de ouvir tenha como contrapartida a flexibilidade de ceder”, continuou o deputado. Ele se reuniu nesta quarta-feira, 24, com o presidente Jair Bolsonaro e outras autoridades para discutir a situação da pandemia.

Segundo ele, “os remédios políticos no Parlamento são conhecidos e são todos amargos. Alguns, fatais. Muitas vezes são aplicados quando a espiral de erros de avaliação se torna uma escala geométrica incontrolável. Não é esta a intenção desta Presidência”.

Arthur Lira disse preferir que “as atuais anomalias se curem por si mesmas, frutos da autocrítica, do instinto de sobrevivência, da sabedoria, da inteligência emocional e da capacidade política”.

Pautas

“Esta não é a casa da privatização, não é a casa das reformas, não é nem mesmo a casa das leis. É a casa do povo brasileiro. E quando o povo brasileiro está sob risco nenhum outro tema ou pauta é mais prioritário”, destacou o presidente da Câmara.

Tensionamentos

“Não é hora de tensionamentos. E CPIs ou lockdowns parlamentares — medidas com níveis decrescentes de danos políticos — devem ser evitados. Mas isso não depende apenas desta Casa. Depende também — e sobretudo — daqueles que fora daqui precisam ter a sensibilidade de que o momento é grave, a solidariedade é grande, mas tudo tem limite, tudo! E o limite do Parlamento brasileiro, a Casa do Povo, é quando o mínimo de sensatez em relação ao povo não está sendo obedecido”, finalizou.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

19 comentários

  1. “Também não é justo descarregar toda a culpa de tudo no governo federal ou no presidente”, “mas será preciso que essa capacidade de ouvir tenha como contrapartida a flexibilidade de ceder”…..Leia-se: O Centrão quer cargos no governo federal!!! that is it..

  2. Esse cara fala em essa Casa do Povo, como estivessem todos os deputados federais empenhados em resolver a situação de abandono em que o povo se encontra. Os governadores e prefeitos ditadores decretam o que bem entendem pra derrubar o presidente Jair Messias Bolsonaro. E colocam o povo no centro da disputa política. Realizaram todo tipo de manobra pra roubar o dinheiro enviado pelo governo federal para combater o coronavirus. A casa não é do povo, e sim das facções criminosas denominadas partidos políticos de esquerda.

  3. Santa pandemia! É mais garantido ao bolso ficar no bla sobre a pandemia que se preocupar com o que está acontecendo no STF. Afinal a culpa é dos noticiários e NUNCA da Constituição.

  4. Esse, ao que parece, e em tão pouco tempo, só não é pior que o “botafogo maia”. Faltou coragem de dizer as bravatas dita na câmara quando em frente ao presidente. Vai trabalhar, indiciado!

  5. Porque esse cidadão não propõe uma urgente reforma politica que reduza no mínimo 50% do Legislativo Nacional e o Senado a somente 1 inútil por Estado, logicamente também de assessorias e funcionários dessas casas. Esse inútil Lira que finge ajudar o governo federal saberia calcular quanto economizaríamos para melhor atender a saúde, educação e segurança nacional? Urgente, porque já poderíamos ter esse beneficio nas eleições em 2022.
    Lira deve saber que só o Congresso Nacional tem um orçamento anual de R$12 bi.

  6. Será que não existia nenhum deputado que não fosse outro “Maia” (Mala)? Esse é outro cara que quer tomar o estado junto com o STF, de roldão!

  7. Este Lira é uma excrescência mas era o que se oferecia à época ou Rodrigo Maia. Dos males o menor. Hoje vê-se que não vale nada. Nenhuma surpresa. Está ameaçando claramente o Presidente que não aceita a roubalheira que Lira quer patrocinar.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.