Lira insiste em semipresidencialismo ‘para 2026 ou 2030’

Para ele, é preciso que o sistema de governo esteja fora das 'amarras do presidencialismo de coalizão', com uma 'gestão compartilhada'
-Publicidade-
Lira quer privatização da Petrobras| Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Lira quer privatização da Petrobras| Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), voltou a defender nesta terça-feira, 23, a adoção do semipresidencialismo no Brasil a partir de 2026 ou 2030.

Ele afirmou que a aprovação de um novo sistema de governo não impactaria as próximas eleições e não mudaria as regras do jogo para o próximo presidente eleito.

-Publicidade-

Para Lira, é preciso que o sistema de governo esteja fora das “amarras do presidencialismo de coalizão”, com uma “gestão compartilhada”.

“O presidente se elege com 50 milhões de votos e, quando muito, consegue 10% de vagas no Parlamento, e por isso não consegue governar sem coalizão. A Câmara vai fazer essa discussão”, afirmou, em entrevista à GloboNews.

Ontem, o presidente Jair Bolsonaro comentou a discussão que está sendo feita sobre a adoção do semipresidencialismo: “Por que lançam isso aí? Para acobertar outras coisas. Muita gente está preocupada porque acabou a mamata”.

“Tem certas coisas que são tão idiotas que não dá nem para discutir. Não vou começar a bater boca com ninguém sobre esse assunto. Coisa idiota. Eu falo que jogo nas quatro linhas. Quem sair fora, aí sou obrigado a combater o cara fora das quatro linhas”, afirmou.

Hoje, Lira disse: “É um projeto que tem de ser discutido com calma, com audiência, reuniões, muito debate. Para 2026 ou 2030, isso não interferirá nas quatro linhas de ninguém”.

Auxílio Brasil e aumento salarial

Na entrevista, o presidente da Câmara aproveitou para dizer que não vê resistência entre os deputados em transformar o Auxílio Brasil com um valor maior em benefício social permanente.

Lira também reafirmou que não vê espaço para dar aumento salarial aos servidores públicos, caso a PEC dos Precatórios seja aprovada.

“Se o governo quiser dar aumento, vai ter de cortar seu orçamento discricionário. Na PEC dos Precatórios, não foi apresentada à Câmara nenhuma possibilidade de ter compensação ou abertura para pagamento de funcionário público.”

Emendas de relator

Lira reafirmou que as emendas de relator são “absolutamente transparentes” e que a decisão liminar da ministra do Supremo Tribunal Federal Rosa Weber, referendada pelos demais ministros, pode resultar na perda de quase R$ 13 bilhões já empenhados no Orçamento.

Segundo ele, o Orçamento não é secreto, e o Congresso Nacional está empenhado em dar mais transparência ao processo.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.