Marco Aurélio cancela entrevista ao ‘Direto ao Ponto’

Ministro do STF seria o convidado do programa apresentado por Augusto Nunes
-Publicidade-
O ministro Marco Aurélio: libertou traficante do PCC e desistiu de conceder entrevista ao programa apresentado por Augusto Nunes, colunista da Revista Oeste | Foto: Nelson Jr./STF
O ministro Marco Aurélio: libertou traficante do PCC e desistiu de conceder entrevista ao programa apresentado por Augusto Nunes, colunista da Revista Oeste | Foto: Nelson Jr./STF | marco aurélio - augusto nunes - direto ao ponto

Ministro e decano do STF, Marco Aurélio seria o convidado do programa apresentado por Augusto Nunes

marco aurélio - augusto nunes - direto ao ponto
O ministro Marco Aurélio: libertou traficante do PCC e desistiu de conceder entrevista ao programa apresentado por Augusto Nunes, colunista e conselheiro editorial da Revista Oeste | Foto: Nelson Jr./STF
-Publicidade-

O decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio, seria o entrevistado da edição de hoje do Direto ao Ponto, programa da rádio Jovem Pan apresentado por Augusto Nunes, colunista e conselheiro editorial da Revista Oeste. Seria, pois o ministro desistiu de participar da atração. A desistência ocorreu após o magistrado ser criticado por conceder a liberdade a André do Rap, traficante do PCC.

Leia mais: “Trump teve 65 posts censurados contra nenhum de Biden”

Nunes afirmou que o integrante do Supremo havia confirmado participação na atração mesmo depois de ter ordenado a soltura do bandido que fugiu para o Paraguai, conforme acreditam investigadores da polícia de São Paulo. O jornalista revelou no início na noite desta segunda-feira, 19, que Marco Aurélio avisou somente na sexta-feira que não iria mais conceder a entrevista — que estava acertada desde antes da edição de estreia de Direto ao Ponto.

“Fui surpreendido com uma mensagem no WhatsApp”, informou Nunes ao falar sobre a desistência do ministro do STF. “Falei que não seria uma entrevista sobre o André do Rap”, comentou o apresentador. “Iríamos abordar o caso André do Rap, evidentemente, mas a entrevista daria espaço a outros temas”, explicou o jornalista, que não conseguiu reverter a decisão do magistrado.

Novo entrevistado

Sem Marco Aurélio, questões do Poder Judiciário deverão seguir em pauta no Direto ao Ponto. O programa conduzido por Augusto Nunes terá como entrevistado Carlos Ayres Britto. Jurista, ele foi colega de tribunal do juiz que concedeu liberdade a um traficante do PCC. Ayres Britto integrou o STF de 2003 a 2012.

MAIS: “Aras também é contra retorno de Witzel ao governo do Rio”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

12 comentários

  1. Seria importante para o ministro Marco Aurélio participar dessa entrevista no sentido de esclarecer sua decisão sobre a soltura do bandido e narcotraficante André do Rap. Como ele tem afirmado que agiu dentro da lei e corretamente, haveria uma oportunidade impar para mostrar ao público brasileiro seu agir de acordo com a nossa legislação. Parece que o ministro não está suportando a reação do povo brasileiro e da mídia que se contrapuseram aos seus argumentos. Como quem não deve não teme, o ministro em questão vai ter de conviver até o fim da vida com críticas a sua decisão que tem levado a grandes interrogações e suspeitas com a elaboração do HC para o terrível narcotraficante.

  2. É óbvio que ele cancelaria participação; sua decisão ridícula não tinha qualquer embasamento jurídico; e como pavão que é, ele nunca aceitará admitir tal error crasso perante a imprensa.

  3. Foi o grande ponto fora do Augusto. O Brito gosta mesmo é de poesia e das decisões do STF das quais depende como advogadão de banca de figurões.

  4. O Ministro Marco Aurélio certamente teve seus motivos para cancelar a entrevista e não cabe a nós julgarmos, pois nos sustentaríamos apenas em ilações, sem fundamento fático. Quanto à sua decisão de determinar a soltura do traficante ele agiu corretamente, dentro da lei. Entendo ser COVARDIA e OPORTUNISMO jogar a culpa do lamentável episódio nas costas do ministro, como está sendo feito. Como cidadã contribuinte, em dia com o pagamento de meus impostos, entendo que os justiceiros de plantão deveriam dirigir seus holofotes para os órgãos do Poder Judiciário e do Ministério Público, este na qualidade de Fiscal da Lei, para que o cidadão contribuinte possa entender a CAUSA da negligência com o prazo de noventa, imposto por lei, para a reavaliação da prisão do traficante, NEGLIGÊNCIA INJUSTIFICADA até o momento, por se tratar de elemento tido e havido como perigoso. Afinal, é o dinheiro do contribuinte indo para o ralo !!!É urgente, portanto, A INSTALAÇÃO DE UMA COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO – CPI, a fim de serem apuradas as causas da negligência quanto ao descumprimento do prazo legal de noventa dias. Não se deve menosprezar a inteligência dos cidadãos!!! É de lembrar, outrossim, que foi de uma CPI que se chegou ao mensalão!!!

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site