Máscaras deixam de ser obrigatórias ao ar livre, decide Doria

Em locais fechados, a proteção facial continua valendo
-Publicidade-
O governador de São Paulo, João Doria | Foto: Divulgação/GESP
O governador de São Paulo, João Doria | Foto: Divulgação/GESP | Foto: Divulgação/GESP

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quarta-feira, 24, a flexibilização do uso das máscaras em ambientes abertos a partir do dia 11 de dezembro no Estado. A queda de mortes por covid-19 possibilitou a medida.

Contudo, a proteção facial será obrigatório nas áreas internas, nas estações e nas centrais de transporte público. “Inclusive nas estações, mesmo que a céu aberto, o uso continuará sendo obrigatório”, disse Doria, em entrevista.

O Estado segue a tendência de outros locais, como a cidade do Rio de Janeiro, onde as máscaras já não são obrigatórias desde meados de outubro. O acessório também deixou de ser exigido em “locais sem aglomeração”.

-Publicidade-

Para avançar com a campanha de vacinação, o governo Doria realizará uma mobilização para vacinação em massa do dia 1º a 10 de dezembro. Cerca de 4,5 milhões de paulistas não voltaram aos postos para a aplicação da segunda dose.

Em relação aos números da pandemia, a taxa de ocupação dos leitos de UTI no Estado nesta quarta-feira é de 21,6%. Há aproximadamente 2,5 mil pacientes internados no Estado, sendo 1,1 mil em UTIs e 1,4 mil em enfermaria

Leia também: “O escândalo do passaporte sanitário”, artigo de Guilherme Fiuza publicado na Edição 58 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

13 comentários Ver comentários

  1. Isso é uma bichona!

    Estamos de olho senhor Doria, empresas desqualificadas da licitação do metrô que estranhamente estão sendo aceitas de volta ao jogo!

  2. Somente em 11 de dezembro o vírus vai deixar de circular ao ar livre, mais uma demonstração de cabresto na população, continuam nos testando.

  3. “decidi doria”
    Como esse parasita decidisse alguma coisa… é um absurdo usar essa focinheira, como que uma máscara de pano faz diferença num ônibus lotado…o medo faz as pessoas acreditarem em cada bizarrice…
    Você vai numa lanchonete, lugar fechado, tira a máscara pra comer, daí o vírus aguarda você almoçar pacientemente, quando você levanta pra pagar é obrigado a colocar a máscara pois o vírus está te vigiando… é uma loucura…

  4. Que enfiem no c* essa focinheira, nem em ônibus e elevador eu uso essa merd@, só se alguém estiver me fiscalizando. Passou da hora do povo religar o cérebro e abandonar essa insanidade. Sempre soube que o povo na média era burro, mas nunca imaginei que fosse nesse nível.

  5. Dura até a quarta feira de cinzas.
    Depois a focinheira maldita volta. É a única solução que a “sienssia” encontrou de “eficaz”. É a muleta da vacina.

  6. Eu sempre fiz esse procedimento de não usar a focinheira em espaços abertos e usar em ambientes fechados. Isso é o óbvio, sempre foi. Mas sempre tem o gado para fazer os maiores absurdos. Certa vez fui à padaria de manhã por volta das 6:30hs de repente abre um portão de uma garagem e sai um sujeito numa pick-up com os vidros todos fechados e com máscara na cara. a rua neste horário estava quase deserta. Tipos como esses já são doentes por natureza.

  7. Sempre usei a máscara em ambiente fechado. Nunca em ambiente aberto. Se todos estão vacinados, não precisamos mais desse pano na cara….

  8. Carnaval ta chegando né Calcinha, ta louco pra colocar aquela calça branca apertadinha e o abada pra se soltar lá no camarote da Brahma kkkkkk Hipócrita a nível Hard.
    “ESTAMOS SALVANDO VIDAS”

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.