-Publicidade-

Médica Ludhmila Hajjar recusa Ministério da Saúde

Cardiologista disse que se sentiu "muito honrada" e segue à disposição do Brasil
Médica Ludhmila Hajjar
Médica Ludhmila Hajjar | Foto: Reprodução/Redes Sociais

A médica Ludhmila Hajjar decidiu nesta segunda-feira, 15, não assumir o Ministério da Saúde. Segundo ela, o convite foi feito pelo presidente Jair Bolsonaro. A cardiologista disse que se sentiu “muito honrada” e que segue à disposição do Brasil.

Após tomar a decisão, ela concedeu entrevista à CNN Brasil e demonstrou divergências com o governo federal em alguns temas, como o tratamento precoce e medidas de fechamento para tentar frear a doença.

Leia mais: “Mourão sai em defesa de Pazuello: ‘Talvez outra pessoa não suportasse’”

“Entendi que não foi um convite apenas do presidente Bolsonaro, mas de muitos brasileiros que hoje são líderes, que são ministros do STF, o próprio presidente da Câmara, Arthur Lira, deu várias declarações, de alguns ministros do presidente Bolsonaro”, disse a médica.

Para o Brasil combater a pandemia, Ludhmila Hajjar defendeu a necessidade de o país pautar-se por evidências científicas, com diagnóstico precoce e vacinação em massa. Ela disse torcer para que o Brasil encontre rapidamente um novo ministro e que vai apoiar “quem quer que seja”.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

27 comentários

  1. Essa mulher está completamente fora de sintonia. Ou mentindo! Quando ela se refere a líderes e cita ministros do STF e o presidente da Câmara, esquece q a maioria do povo brasileiro despreza essa gente que ela diz admirar. Políticos – não generalizando-, e ministros, notadamente os do STF, representam o que há de pior na sociedade, atualmente.

    1. Uma médica que diz ter divergências com o governo sobre o tratamento precoce, não está alinhada com o Presidente, e com certeza traria problemas. Foi bom mesmo ela não aceitar o convite, pois não fará nenhuma falta. Aliás, de onde o Bolsonaro está tirando esse nomes? Por que ele não convida os médicos que defendem o tratamento precoce? Será que ele está sendo mal assessorado?

  2. Bolsonaro parece às vezes querer dar combustível para seus opositores: como convidar uma médica que é contra o tratamento precoce? De qq modo, ainda bem que não aceitou.

  3. Até pensei que ela fosse moderada, mas vendo-a em alguns comentários na CNN a moça carrega nas tintas em Bolsonaro por falta de vacinas, sem citar sequer a dificuldade mundial em obter vacinas e que desde meados de 2020 o governo federal contratou vacinas e transferência de tecnologia com a Astra Zenica e Fiocruz. Quem naquela altura conhecia alguma vacina segura e eficaz se os próprios chineses detentores da tecnologica de desenvolvimento de vacinas, só aprovou emergencialmente a SINOVAC (CORONAVAC) e principalmente SINOPHARM entre Junho/agosto, e EUA emergencialmente a Pfizer e a Moderna em 13 e 18/12 respectivamente.
    Desconhece a doutora tão nova e já tão indicada politicamente, que o mau caráter Doria foi quem polemizou essa historia da vacina, para se lançar como salvador de vidas propagando inicio de vacinação “nada politicamente” em dia 25/01 sem sequer ter os resultados da fase 3 no Brasil, e enganar a todos a eficácia do único produto de sua lojinha que de 90% caiu para 50,38%, ou seja quase condenada antecipadamente a descartável pela ANVISA.
    Mas o negacionista das vacinas é Bolsonaro, que sofreu atentado, é combatido pela tradicional e decadente mídia, por tucanos(já fui) esclerosados desde o inicio de seu governo, tem excelente ministério, foi prejudicado na continuidade das reformas pela grave pandemia. Como pode uma alta patente militar ser negacionista de vacinas se as Forças Armadas seguramente devem ser a instituição que mais vacina sua corporação? É muita ignorância dos nossos “cientistas médicos e políticos” ativistas.
    Afinal doutora como a classe verdadeiramente cientifica recuperou 90% dos positivados, que a Globo, CNN, BandNews, fazem questão de não divulgar para uma população em pânico?
    Fosse eu Bolsonaro dava-lhe carta branca para contratar vacinas, assumir responsabilidades, criar mais leitos hospitalares e equipes treinadas em saúde pública, sem faltar abastecimento de alimentos, medicação, transportes, serviços, enfim da economia. Afinal dinheiro não faltou para governadores e para vacinas.

  4. CONVIDADA? Os brasileiros apoiaram sua indicação? What?
    Nós queremos a Dra. Nise Yamagushi, que defende o tratamento precoce e o ISOLAMENTO RACIONAL. NÃO QUEREMOS UMA PROGRESSISTA DEMAGOGA NO MS!! Oxiiiiiiiiiiii!!

    1. Acho que ele convidou de propósito pois ela só sabe criticar e dizer o óbvio que até agora não funcionou. Se ela aceitasse, teria de apresentar planos e resultados, que obviamente não iria conseguir, sabendo disso, a panfleteira recusou.

  5. Sinceramente, não consigo acreditar que Bolsonaro tenha convidado essa peste para o MS. Caso tenha, mostra o quão desinformado está o PresRep e quão sabotado está o seu Governo. É uma varada sem tamanho… pqp

  6. Claro que recusou, é mais fácil ficar de fora jogando pedras e criticando com pedantismo do que apresentar soluções, até porque nenhum lugar no mundo achou a fórmula mágica até agora, mas a ” sabichona” encheu a boca para dizer que o Brasil está todo errado e é um dos piores no mundo. Sequer se utilizou de estudos epidemiológicos , já que nestes, o Brasil se encontra em sexto em número de vacinados e depois do vigésimo em mortes por milhão, enquanto a Bélgica, rainha do Lockdown, primeiro mundo, continua firme e forte na liderança em mortes por milhão.
    Para mim, ela foi covarde.

  7. não podia mesmo dar certo como ministra da saúde – andou mandando “beijão” para a DilmAnta, xingou JB de psicopata (áudio circulando nas redes sociais) e chamou de ignorantes dos os mais de 10 mil médicos que aplicam o Protocolo de Tratamento Precoce no combate ao COVID-19.

  8. Essa médica, na entrevista dada à CNN, afirmou que a discussão sobre tratamento precoce com hidroxocloroquina, vitamina D, zinco, ivermectina é coisa do passado. Não discute mais porque não há comprovação científica. Então, qual ou quais os remédios que ela prescreve para o paciente com os primeiros sintomas (sintomas iniciais) ? Os jornalistas, claro, não fizeram essa pergunta.

  9. Acho que ela não foi convidada. O Ministro das Comunicações, negou. Esta Sra foi coautora daquele estudo no Amazonas com a Cloroquina, em que deram doses cavalares aos participantes e muitos morreram. Como confiar numa pessoa assim. Se fosse para o governo, seria pior que o Moro e o Mutreta juntos.

  10. Mais um cavalo de tróia que o Presidente afasta. Duvido que tenha feito o convite. JB é experiente…não convidaria alguem para receber a recusa. Só os mais ingênuos acreditaram nessa história das esquerdas !!

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.