-Publicidade-

Merkel amplia poderes, e direita denuncia autoritarismo

Parlamento aprova medida do governo que torna o Executivo mais forte
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel | Foto: Divulgação/ Governo da Rússia
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel | Foto: Divulgação/ Governo da Rússia | Merkel Brexit sem acordo

Parlamento aprova medida do governo que torna o Executivo mais forte

Merkel Brexit sem acordo
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel | Foto: Divulgação/ Governo da Rússia

Em meio a protestos que reuniram milhares de manifestantes contra o governo, o parlamento da Alemanha aprovou uma reforma que amplia os poderes da chanceler do país, Angela Merkel. A medida endurece as limitações impostas às pessoas sob a justificativa de “conter o avanço do coronavírus”. O artigo 28 da nova lei estabelece o uso obrigatório de máscara, a suspensão de atividades culturais ou de esporte, a imposição de uma distância física em lugares públicos e a restrição de viagens, bem como a proibição de venda de álcool em lugares abertos. Já o dispositivo número 36 da legislação torna mais rigoroso a entrada na Alemanha de viajantes de zonas de risco.

Conforme a lei, Merkel poderá adotar mais “medidas de proteção”, caso o país supere 50 novos contágios a cada 100 mil habitantes em sete dias. Partidos de oposição, como o direitista Alternativa por Alemanha, criticaram a decisão dos parlamentares (foram 415 votos a favor e 236 contra) aprovada em dois dias, sem amplo debate com os demais membros da Casa. Segundo os integrantes da sigla, que contou com o apoio da legenda de esquerda Die Linke, a nova legislação atenta contra os direitos fundamentais dos cidadãos e não oferece segurança jurídica. Nas redes sociais, internautas comparam a medida com a lei de 1933 que cedeu todos os poderes a Adolf Hitler.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês