Ministro da Educação critica professores da rede pública que ameaçam entrar em greve

Educadores de vários Estados foram incluídos nos grupos prioritários de vacinação contra o novo coronavírus
-Publicidade-
Sindicatos articulam-se para travar a volta às aulas presenciais
Sindicatos articulam-se para travar a volta às aulas presenciais | Foto: Frederico Brasil/Estadão Conteúdo

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, teceu críticas aos professores da rede pública que ameaçam cruzar os braços. Alunos desse segmento estão há um ano e meio sem aulas; outros estudam a distância, com limitações. “Como educador, eu fico envergonhado quando ouço alguém falar em greve”, declarou Ribeiro, em entrevista ao programa Direto ao Ponto, da rádio Jovem Pan.

“É uma falta de responsabilidade imensa com os estudantes, com aquilo que temos de ter, minimamente, em termos de civismo e patriotismo. Mas cada um responde por si”, acrescentou o ministro. Governos estaduais e municipais aceitaram reivindicações de professores para a inclusão em grupos prioritários de vacinação. Contudo, sindicatos articularam-se para travar a volta às aulas presenciais.

Educação brasileira à deriva

-Publicidade-

Um levantamento realizado pela Unesco e divulgado em 24 de janeiro mostrou que, enquanto a maioria dos países fechou suas escolas por pouco mais de 20 semanas, no Brasil, as crianças e os adolescentes ficaram longe das salas de aula pelo dobro do tempo: 40 semanas. Nesse recorde, o país só se equipara a Argentina, Chile, Moçambique e Etiópia. De acordo com o estudo, aproximadamente 800 milhões de estudantes no mundo foram afetados, e as instituições de ensino passaram, em média, dois terços do ano letivo fechadas.

No Brasil, quase 50 milhões de estudantes ficaram entregues à própria sorte — particularmente os 80% matriculados em escolas públicas. Destes, cerca de 25% não têm acesso à internet. Uma pesquisa do Ibope realizada em agosto mostrou que, em domicílios com renda per capita de até meio salário mínimo, um quarto dos estudantes não teve sequer acesso à educação remota. No mês de outubro, conforme a Pnad Covid19 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 6 milhões de alunos de 6 a 29 anos, da educação básica ao ensino superior, não tiveram acesso a atividades escolares. Na educação básica, “inexistência de aulas” e “dificuldade com o acesso remoto” foram as principais causas da evasão escolar. No ano da pandemia, cerca de 4 milhões de jovens abandonaram os estudos, segundo uma pesquisa encomendada pelo banco digital C6 Bank.

Leia mais: “O fracasso do lockdown”, reportagem publicada na Edição 45 da Revista Oeste

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários

  1. N trabalham a dois anos, recebem salario sem cortes ou ajustes como foi feito na iniciativa privada e querem entrar em greve. Criançada que se dane. Manda cortar salário que acaba essa palhaçada

  2. Sindicalistas não trabalharam, não passam de chupins corruptos e todo mundo sabe a que se prestam: para fazer do trabalhador massa de manobra para achaques políticos. Por outro lado, educadores abraçados ao costumeiro jogo sórdido dos sindicatos, neste momento de pandemia, é demais!
    Professores, tomem vergonha na cara e voltem a trabalhar e educar as crianças, há 1 ano e meio afastadas da escola, em grave e irreversível prejuízo ao aprendizado.

  3. Corta o salário deles, outras categorias, como segurança e saúde estão trabalhando desde o início da pandemia. Certamente, são crias da esquerdalha, parasitas do Estado.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro