Ministros do STF defendem que o TSE reaja ao voto auditável

Milhares de brasileiros apoiam a medida
-Publicidade-
O presidente do TSE, ministro Barroso, é contra o dispositivo
O presidente do TSE, ministro Barroso, é contra o dispositivo | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem de reagir à tese do voto auditável. É o que defenderam dois ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) ouvidos em caráter reservado pela CNN Brasil. Conforme a dupla de magistrados, o TSE precisa enfrentar os “pontos de desconfiança elencados” pelo presidente Jair Bolsonaro sobre as urnas eletrônicas. Os juízes não descartam a hipótese de retomar o plano de incluir impressoras acopladas em parte dos equipamentos. Para eles, os “ataques ao sistema eleitoral despertam desconfiança em parte da sociedade”. No fim de semana passado, milhares de brasileiros saíram às ruas em prol do dispositivo que tramita na Câmara dos Deputados.

A Revista Oeste noticiou que o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, teceu críticas à medida. “Nós vamos criar o caos em um sistema que funciona muitíssimo bem”, declarou, em entrevista à GloboNews, na quarta-feira 5, ao mencionar que o processo democrático no Brasil é seguro. “O nosso sistema de voto em urna eletrônica é totalmente confiável”, acrescentou. Ainda segundo Barroso, caso seja aprovada a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que viabiliza a medida, o país terá “um desejo imenso de judicialização” do resultado eleitoral. De autoria da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), o texto estabelece que as urnas imprimam o comprovante do voto do eleitor.

Leia também: “Tudo o que você precisa saber sobre o voto auditável”, reportagem publicada na Edição 54 da Revista Oeste

-Publicidade-
Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

19 comentários

    1. Tem que avisar ao TSE e especificamente ao ministro Barroso que está faltando argumentação e justificativas para o voto NÃO ser auditado.

  1. “Nós vamos criar o caos em um sistema que funciona muitíssimo bem”. Muitíssimo bem, para fraldar as próximas eleições, não é, seu Barroso? Só com fraude vocês conseguirão derrotar Jair Bolsonaro.

  2. Precisamos da impressão do voto eletrônico com o registro físico do voto em papel que ninguém levará pra casa, para que possibilite auditagem e transparência no sistema.

  3. Eis aí a explicação: aqueles que andam nas trevas têm medo que se faça a luz!
    Todo trambiqueiro só teme uma coisa: AUDITORIA. Está aí o medo do voto auditável!

  4. Eu só votarei em alguém se o voto for impresso e auditável. Já temos motivos suficientes, até intuitivamente, para não confiar nessa turma que e diz dona das nossas vidas.

  5. Diante do Ativismo Judicial, e do desequilíbrio entre os Poderes da República, faz-se necessário a impressão do voto para dirimir quaisquer dúvidas.
    E conseguinte, uma Auditagem. Transparência, para que prevaleça o poder que emana do povo. O mínimo.

  6. Que papo de louco! Como garantir que é 100% confiável se não há como provar ou auditar? Não há menor dúvida que esse sistema atual é uma ferramenta de fraude escancarada.

  7. Esses notáveis estão nos oferecendo uma clara demonstração que temem o VOTO IMPRESSO, por criar dificuldades para malfeitores. É disso que se trata.
    Recentemente artigo do ex ministro e presidente do STF, dr. Carlos Velloso, publicado em 23/04 pg.A2 do Estadão, revoltado, tenta desinformar a população com o VOTO IMPRESSO, alegando, “Mas o que alguns políticos desejam é a impressão da confirmação do voto do eleitor em fulano ou beltrano, o que quebraria o sigilo do voto, com ofensa a Constituição. O VOTO IMPRESSO seria ótimo para os caciques políticos, que exigiriam a apresentação do comprovante do voto em fulano ou beltrano”.
    Diante dessas alegações podemos concluir que não conhece a Lei, já que o bilhete impresso é blindado e não pode ser manuseado pelo eleitor, ou é FAKE de má fé, porque tenta incendiar a população contra os candidatos corruptos que comprariam seus votos.

  8. Sugiro que façam uma auditoria no código do software das máquinas de votação, para ver se há alguma possibilidade de interferência externa como se suspeita nos EUA.

  9. Países democráticos e até não democráticos, como o Irã, usam uma caixa de papelão com uma abertura onde os eleitores depositam suas cédulas e depois fazem a contagem publicamente. Simples assim.
    Porque temos que gastar bilhões a cada 2anos para fazer eleições e principalmente porque existe a aparente obrigação de divulgar o resultado no programa da TV na noite de domingo.

  10. TSE e STF ,vocês não tem competência para definir sobre leis. A competência é do poder LEGISLATIVO e do POVO brasileiro. Vocês são FUNCIONÁRIOS DO POVO. #StfDaVergonha #lixo #Vergonha

  11. O Supremo Tribunal Federal não representa a vontade do povo, porque jamais recebeu um voto popular. Todavia, como parece que gostam de dar palpites em áreas que não são de sua competência, sugere-se que requeiram IMEDIATAMENTE, suas aposentadorias voluntárias, filiem-se a partidos políticos de suas preferências e se candidatem a um cargo eletivo de suas respectivas escolhas e, NOTADAMENTE, aceitem a OPÇÃO dos eleitores!

  12. E A SAGA CONTINUA, AFINAL, SEM O VOTO AUDITÁVEL COMO PODERÃO COLOCAR O POSTE DE MADURO DE VOLTA AO PODER??? E OLHA Q DIZEM Q ELE TEM QUASE 40% das intenções de voto, mas ñ consegue dar um rolê no mercadão sem tomar uma bela ovada no meio daquela cara de cachaça….

  13. Se “o poder emana do povo para o povo”, por que não perguntar a “esse povo” se querem ou não o voto auditável? Quem são esses militantes ora no poder, sem nenhum voto, alocados sem merecimento, mas por bajulação, para arvorarem-se donos da verdade? Vamos acabar com essa palhaçada, VOTA AUTIDÁVEL JÁ!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro