Morre militar que liderou repressão à Guerrilha do Araguaia

Major Curió foi um dos personagens marcados pelo combate ao movimento revolucionário socialista, no último século
-Publicidade-
Major Curió em encontro com o presidente Jair Bolsonaro, em 2020
Major Curió em encontro com o presidente Jair Bolsonaro, em 2020 | Foto: Reprodução/Facebook

Morreu na madrugada desta quarta-feira, 17, em Brasília, o coronel da reserva do Exército Sebastião Curió Rodrigues de Moura, aos 87 anos. O ex-oficial ficou célebre por liderar a repressão à Guerrilha do Araguaia no regime militar (1964-1985), confrontando o movimento que tinha como objetivo realizar uma revolução socialista no país.

Conhecido como Major Curió, o coronel da reserva teve a trajetória marcada pelo episódio no Araguaia. Em 1972, esteve à frente do combate na divisa dos Estados de Goiás, Pará e Maranhão, que deixou 67 guerrilheiros mortos. Entre os sobreviventes estava José Genoíno, que anos adiante virou figura proeminente dentro do Partido dos Trabalhadores (PT).

Na parte final de vida, Major Curió foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por homicídio e ocultação de cadáveres durante o combate à guerrilha. Em 2009, em entrevista ao Estado de S. Paulo, o militar da reserva afirmou que o Exército executou 41 pessoas no Araguaia.

-Publicidade-

Mas o combate à guerrilha não é o único episódio relevante no currículo do coronel. Nos anos 1980, Curió foi designado pelo regime militar como interventor na mina de ouro descoberta em Serra Pelada, local que foi o maior garimpo do Brasil, localizado no Estado do Pará. Na ocasião, o oficial se tornou a única autoridade da região, proibindo a entrada de mulheres, cachaça e armas na zona de trabalho.

Em 2020, Major Curió foi recebido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), em encontro no Palácio do Planalto. Há cinco anos o militar da reserva vivia recolhido em sua casa, em Brasília.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. No Brasil os terroristas, é isso mesmo terroristas, mataram agentes da lei, civis, Roubaram, pilharam e sequestraram aviões q aterrissaram em Cuba, sequestraram o diplomata americano e os militares que fizeram a intervenção que abortaram a instalação do socialismo no País, esse ato é taxado de revolução. Jô Soares com toda pompa em seu programa disse que: Vcs não fazem ideia o que a revolução fez . Fez o que cara pálida? Os militares restituíram a democracia que os terroristas queria implantar no País. Hj esses mesmos assassinos recebem polpudos salários a titulo de indenização pelo que “sofreram”, na dita revolução.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.