Revista Oeste - Eleições 2022

MP estende investigação sobre assédio sexual a vice da Caixa

Ministério Público do Trabalho cobra banco sobre suposto envolvimento de Celso Leonardo Barbosa em denúncias
-Publicidade-
Caixa terá que prestar esclarecimentos sobre denúncias ao MP do Trabalho
Caixa terá que prestar esclarecimentos sobre denúncias ao MP do Trabalho | oto: Pillar Pedreira / Agência Senado

As investigações sobre assédio sexual cometidas pelo ex-presidente da Caixa Econômica Federal Pedro Guimarães vão se estender também ao vice da instituição, Celso Leonardo Barbosa. Segundo mais importante na hierarquia da instituição, Barbosa é acusado por servidoras de “causar temor” às mulheres que trabalham no banco público.

Pelo menos cinco funcionárias da Caixa acusam Pedro Guimarães de assédio moral e sexual, como toques íntimos não autorizados e convites incompatíveis com a relação profissional. As denúncias foram reveladas pelo jornal Metrópoles. Diante das repercussões a respeito do caso, Pedro Guimarães pediu demissão no final da tarde desta quarta-feira, 29.

Ainda na quarta-feira, o Ministério Público do Trabalho (MPT) notificou e deu o prazo de dez dias para que tanto Guimarães como a Caixa se manifestem sobre as denúncias. Os dois despachos são assinados pelo procurador do Trabalho do Distrito Federal Rafael Mondego Figueiredo.

-Publicidade-

No mesmo despacho à Caixa, o procurador de MPT também pede explicações sobre Celso Leonardo Barbosa. A comunicação cita relatos de que o vice-presidente da instituição “causaria temor” em mulheres que trabalham no banco, “levando a crer que as denúncias de assédio também se estenderiam ao gestor”. As informações constam no documento do MPT.

O procurador também solicita à Caixa a relação de denúncias apresentadas contra ambos os executivos. O MPT ainda questiona se as acusações chegaram a tramitar em canais de comunicação internos do banco e pergunta se, de alguma forma, as ações de Pedro Guimarães foram acobertadas.

No despacho endereçado a Guimarães, o Ministério Público do Trabalho solicita ainda manifestação sobre as denúncias e informações a respeito de contatos para recebimento de notificações.

O Ministério Público Federal (MPF) também abriu investigação sobre o caso, mas informou que “não fornece informações sobre procedimentos sigilosos”.

Troca de comando

O governo federal anunciou, na quarta-feira 29, a secretária especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Daniella Marques Consentino, para a presidência da Caixa Econômica Federal. A nomeação foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

Daniella foi nomeada em fevereiro deste ano para o cargo no Ministério da Economia. Antes, a executiva atuava desde 2019 como chefe da Assessoria Especial de Assuntos Estratégicos da pasta e é considerada o braço direito do ministro Paulo Guedes.

Na noite de quarta-feira, a Caixa admitiu, em nota, que recebeu denúncias de assédio contra o economista Pedro Guimarães.

“A Caixa repudia qualquer tipo de assédio e informa que recebeu, por meio do seu canal de denúncias, relato de casos desta natureza na instituição. A investigação corre em sigilo, no âmbito da Corregedoria, motivo pelo qual não era de conhecimento das outras áreas do banco”, manifestou o banco.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

18 comentários Ver comentários

  1. Espero que estejam falando a verdade. A acusação é muito séria. O que temos visto no Brasil contra o presidente, a desconfiança é enorme. Que tudo se esclareça.

  2. Tem caroço nesse angú, porque não fizeram um BO, ou acionaram a ouvidoria da Caixa,
    tem que ser provado, que estava correndo em segredo dentro da Caixa as denúncias
    das funcionárias, se somente agora resolveram colocar a boca no trombone, é meio duvidoso, agora o Presidente da caixa em fim de mandato passa a mão nas b… de
    funcionárias , se verdade for, que é duvidoso é muito jumento.

  3. Sei não, isso está parecendo coisa de barangas ressentidas. É uma pena, mas se aconteceu a ofendida deveria ter feito um BO no mesmo dia, deixar para fazê-lo no momento mais apropriado é picaretagem. Tem as outras que dizem ” ai ele me causa temor”, vai rachar uma lenha como diz Paulinho Mixaria.

  4. Ouvi o áudio “vazado” pelo Metrópole, onde segundo o MPF “não fornece informações sobre procedimentos sigilosos”. “Çei!”
    Lembrei da reunião do Governo, que Moro afirmou ter provas de “interferências na PF”. Palavrões e e indignação do CHEFE COM UM SUBORDINADO, no caso,, subordinada. É sério isso??

    1. Esporros do chefe virou “assédio moral”? Ham???
      É motivo pra MASSACRAR um profissional como Pedro Guimarães, que elevou o nível profissional dos servidores da Caixa??

      1. Flexões…
        Até agora não vi provas que justifiquem o linchamento público travestido de “justiça”.

      2. sim, são assédio moral…vc deve se atualizar porque desconhecer a lei não é argumento de defesa.
        mas a acusação principal é assédio sexual ou vc concorda com isso?

      3. Leila, que provas vc quer além do testemunho de 5 mulheres e 3 ex-conselheiros da CEF indicados pelo Bolsonaro? sem falar que a denúncia foi feita há muito tempo e acobertada pela diretoria da CEF que foi pega no flagrante porque não tirou do sistema.

      4. Provas são provas (imagens, vídeos, áudios, emails, msg). Relatos não provam nada!
        Bem… de repente o MPF deixa VAZAR por “acidente” para o Metrópole e vamos saber se são provas ou ilações.

      5. Leila, o que vc achava das delações contra o Lula baseadas somente em testemunhos?

  5. Não há quem possa apoiar assedio de qualquer espécie.É o forte contra o fraco. O que em intriga é que os assédios aconteceram há algum tempo e as assediadas só vieram a publico neste instante. Talvez porque a Caixa nada fez quando os assédios forma comunicados, deixando de fazer uma investigação interna, ou as assediadas, num total de cinco, deixaram por isso mesmo, entendendo como coisa reprovável, bem verdade, mas não tão anormal em ambientes de trabalho com muita gente? Fato é que o suposto autor não complicou o fato e pediu de pronto sua demissão e o Presidente não pestanejou, aceitando-a.

      1. Verdade…. E o energúmeno diz que as acusações contra o Lula foram somente as denúncias…. kkkkkk

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.