‘Mudar de opinião não é contradição’, diz Ciro Nogueira ao tomar posse

Novo ministro-chefe da Casa Civil jurou lealdade a Jair Bolsonaro e defendeu o 'equilíbrio': 'Meu nome é temperança'
-Publicidade-
Jair Bolsonaro e Ciro Nogueira, agora aliados, se abraçam durante cerimônia de posse do novo chefe da Casa Civil
Jair Bolsonaro e Ciro Nogueira, agora aliados, se abraçam durante cerimônia de posse do novo chefe da Casa Civil | Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Ao tomar posse como novo ministro-chefe da Casa Civil nesta quarta-feira, 4, o senador Ciro Nogueira (PP-PI) defendeu o “equilíbrio” entre os Poderes, prometeu ajudar o presidente Jair Bolsonaro a superar as dificuldades em meio à pandemia de covid-19 e disse que “mudar de opinião” é saudável.

Antigo aliado e apoiador entusiasmado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Nogueira apoiou a candidatura do petista Fernando Haddad no segundo turno das eleições presidenciais de 2018. O agora chefe da Casa Civil já criticou Bolsonaro, chamando-o de “fascista” e “preconceituoso” em vídeo que viralizou nas redes sociais.

Leia mais: “Bolsonaro indica que pode se filiar ao PP: ‘A gente vai ser feliz por um bom tempo’”

-Publicidade-

“Mudar de opinião não é contradição, desde que seja para melhor”, afirmou Nogueira. O novo ministro aproveitou o pronunciamento para jurar lealdade a Bolsonaro até o fim do governo e se comparou a um “amortecedor”. “Conte sempre com este amortecedor para um ambiente muitas vezes agitado dos novos tempos”, brincou o senador. “Eu quero contribuir tal qual aquele equipamento, que pode estabilizar, diminuir as tensões, ajudar para que esta viagem seja mais serena, estável e confortável para todos. Meu nome é temperança, meu sobrenome tem de ser equilíbrio.”

Leia também: “‘Não vai ganhar na canetada’, diz Bolsonaro sobre Barroso”

Ciro Nogueira também fez questão de manifestar seu compromisso com a defesa da democracia. “Com a minha presença, me somando à equipe de seus ministros e ministras, nós vamos ajudar o Brasil a dar os sinais certos para onde nós estamos indo. O primeiro deles, senhor presidente, e que não tenham dúvida: a democracia é líquida e certa. Difícil por natureza, mas é a coisa certa”, afirmou.

A cerimônia de posse de Nogueira movimentou Brasília e contou com a presença de diversas lideranças políticas, entre as quais o vice-presidente Hamilton Mourão; o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL); o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP); o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ); o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), entre outros.

Leia também: “TSE pede ao STF compartilhamento de provas para investigação da chapa Bolsonaro-Mourão”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

9 comentários Ver comentários

  1. São males do jogo politico. Todos sabemos que sem apoio politico fica ingovernável.
    Infelizmente é isso, ceder de um lado para poder ganhar de outro.
    Se tivéssemos outra categoria de gente nas casas legislativas não seria necessário.
    Pensar sempre antes de eleger os parlamentares

  2. Ciro e’ PP e nao PT, acho que a alianca e’ necessaria tem que ter aliados 100% ou meia boca senao o presidente nao governa, o absurdo alias mais um e’ assistir o Presidente do supremo fazendo capanha pra esquerda petista, falta de postura vamos ficar de olho o Socialismo nunca , jamais !

  3. Até agora só estou vendo traíra no pedaço, nenhum surubim ou dourado ainda não apareceu na pescaria. Acho que o seu Bolsonaro vai ter que mudar a isca.

    1. Não penso que seja necessário. É muito falado da bíblia, citada várias vezes pelo presidente e outros personagens, mas será que eles lembram de figuras com Daniel, Neemias, Misael, Hananias e Azarias entre outros? Que fizeram o que é certo custe o que custar? A verdade é que Bolsonaro neste sentido decepcionou, pelo menos para mim. Acredito que seguir o certo seria mais educativo para população não votarem em crápulas como Ciro nogueira e outros. Jair Bolsonaro não é tão bom presidente, o ideal, mas também não é tão ruim quanto Lula. No primeiro turno ele não tem meu voto. Procurarei um verdadeiro conservador. Creio que o Pr. Deveria ter feito uma mudança política independentemente da governabilidade atual. Mudanças perenes que fariam um país possivelmente melhor. Esse negócio de Bolsa família maior, aumento de tributos, falta de apoio a prisão em segunda instância e fim do Foro privilegiado e etc… Quebrou geral. Precisa acabar com reeleição no país em todos os níveis

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.